Menos um vexame: Cruzeiro vence e elimina risco de rebaixamento

William Pottker cruzeiro operário série b
William Potkker comemora gol da vitória contra Operário (Doug Patrício/Fotoarena/Folhapress)

Após duas derrotas seguidas, o Cruzeiro, enfim, fez o dever de casa contra o Operário nesta noite de quarta-feira (20), no Independência, em BH. Com o triunfo, o time conseguiu sair com a vitória por 2 a 1 e está oficialmente garantido na Série B na próxima temporada – sem correr mais risco de rebaixamento para a terceira divisão. O vexame, portanto, parou em ser o primeiro clube grande, na Era dos Pontos Corridos, a não conseguir voltar para a elite logo após o descenso.

Agora, resta a uma das agremiações mais estreladas do futebol brasileiro fazer um encerramento de temporada decente: faltam apenas mais duas partidas. Na próxima rodada, o Cruzeiro, 13º lugar com 47 pontos, recebe o 15º colocado, Náutico, no Independência. O duelo acontece neste domingo às 16h.

Jogo corrido

Logo no começo, os dois times começaram atacando. Aos 2 minutos, o Operário chegou com Fabiano em chute de longe. A bola desviou, mas não enganou o goleiro Fábio. O Cruzeiro respondeu aos 9, com cruzamento perigoso. Se não fosse a zaga, a bola teria chegado em Airton. Apenas 2 minutos depois, o time paranaense chegou de novo: Rafael Oller pegou de voleio, a bola quicou e passou perto do travessão, assustando Fábio.

Fábio nela!

O Operário quase abriu o placar aos 17, em cobrança de falta perigosíssima de Ricardo Bueno: a bola passou da barreira e foi forte no meio do gol. Fábio estava bem posicionado e fez uma ótima defesa. Apenas 1 minuto depois, o mesmo Bueno chutou de fora da área, e o goleiro cruzeirense agarrou.

De ‘cobertinha’

A partida era tão movimentada que o placar se mexeu depois da primeira chegada do Cruzeiro. Aos 31 do 1T, Manoel tirou a bola no meio de campo, ela subiu e chegou em Sobis, que saiu em disparada para mandar a bola por cima do goleiro. O atacante ainda teve que completar o chute depois da cobertura, porque o zagueiro estava na marcação. Artilheiro do time na Série B com 6 gols, Sobis voltou a marcar depois de 5 jogos de jejum.

Quase o 2º

Antes mesmo do primeiro minuto do 2T, o Cruzeiro chegou com perigo. Airton foi travado no chute e a bola sobrou para Pottker. O atacante chutou rasteiro, para defesa do goleiro Martín Rodríguez. 

Tudo iguaaal!

O jogo continuou movimentado e, aos 9 do 2T, foi a vez do Operário balançar as redes. Jean Carlo rolou para Ricardo Bueno, que ajeitou e mandou a bomba de fora da área. A bola ainda desviou em Manoel e foi direto para o gol, empatando a partida.

E, por pouco, o Fantasma não virou o jogo: Pedro Ken, que já foi jogador da Raposa há alguns anos, cabeceou para as redes. Porém, o árbitro marcou falta no lance, já que o atacante empurrou Machado na área. Os jogadores reservas reclamaram, e um deles – Jorge Jiménez – chegou a ser expulso.

Um vexame a menos

O Cruzeiro voltou a ficar em vantagem no placar aos 31 do 2T, depois de outra assistência do zagueirão Manoel. Ele lançou Pottker na área, o atacante chutou e a bola bateu na trave antes de entrar: 2 a 1 para o clube celeste.

O terceiro gol quase veio aos 41. Pottker veio em velocidade e cruzou para Airton, mas a bola sobrou para Welinton embaixo da trave, mas ele chutou para fora.

Confusão

Nos acréscimos, o atacante Diego Cardoso e o técnico do Operário, Matheus Costa, foram expulsos de campo por reclamação. Após o apito final, cenas lamentáveis foram registradas: a comissão técnica do Operário partiu para cima da arbitragem.

Com a vitória, o Cruzeiro chegou a 47 pontos, e não tem mais chances de cair para a Série C do Brasileirão. Agora, precisa começar a se planejar bem para conseguir o acesso na próxima temporada – o mínimo que um clube da grandeza da Raposa pede.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 2 X 1 OPERÁRIO-PR

Local: Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 20 de janeiro de 2021, quarta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (PB)
Assistentes: Clovis Amaral da Silva (PE) e Tiago Gomes Magalhães (RJ)
Cartões amarelos: Machado (Cruzeiro); Reniê, Pedro Ken, Alex Silva e Ricardo Bueno (Operário)

CRUZEIRO: Fábio; Cáceres, Manoel, Ramon e Matheus Pereira; Adriano, Giovanni (Jadson) e Machado (Cacá); Airton, William Potkker e Rafael Sobis (Welinton)
Técnico: Felipão

OPERÁRIO-PR: Martin Rodrigues; Alex Silva, Reniê, Ricardo Silva e Fabiano (Diego Cardoso); Vilela (Schumacher), Pedro Ken (Thomaz) e Marcelo; Jean Carlo, Ricardo Bueno e Rafael Oller (Maranhão)
Técnico: Matheus Costa

Edição: Thiago Ricci
Beatriz Kalil Othero
Beatriz Kalil Otherobeatriz.othero@bhaz.com.br

Mineira de BH, graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre esportes para o BHAZ. Participou de reportagem premiada pela CDL/BH em 2021 e de reportagens premiadas pela Rede de Rádios Universitárias do Brasil em 2020.

Comentários