Cidade mineira quer proibir músicas com teor sexual e apologia às drogas nos ‘Trenzinhos da Alegria’

trenzinho
PL tramita na Casa Legislativa (Reprodução/Canal João Figueiredo/YouTube)

Os “Trenzinhos da Alegria” são atrações para as crianças em diversas cidades. Em Coronel Fabriciano, na região do Vale do Aço, um PL (Projeto de Lei) pretende “proibir quaisquer tipos de músicas sensuais, com conotação pejorativo, com palavras torpes, que induz a sexualidade, estimula orgia, erotismo e uso de drogas”. A proposição tramita na Casa Legislativa e poderá ser levada para votação em plenário brevemente.

O autor da proposta é o vereador Adriano Martins (PSL). Em entrevista ao BHAZ ele conta sobre como o projeto surgiu e a repercussão que vem tendo. “Eu e meu filho de 5 anos somos apaixonados pelo trenzinho. É um entretenimento gostoso para as crianças, mas de uns anos pra cá foram implantadas músicas que foram deixando nossos pequenos vulneráveis”, diz.

O parlamentar lembra uma vez que iria dar um passeio com o filho, mas acabou desistindo por conta da música que tocava. “Era vulgar ao extremo. Conversei com ele e disse que naquele dia não ia dar para irmos no trenzinho. O PL quer proibir as músicas que induzem ao sexo e às drogas”.

Aceitação

Antes de protocolar o projeto, Adriano conta ter feito enquetes nas redes sociais para saber se o povo era favorável ou não à proposição. “Nunca vi um PL tão simples ter uma repercussão tão positiva. Fiz quatro enquetes e a aceitação foi mais de 92%. Já tem vereador de outras cidades pedindo cópia do texto”, destaca.

“Até os donos de trenzinhos se manifestaram favoráveis, pois estão perdendo espaço para aqueles que tocam apenas música infantil. Aqui em Fabriciano tem um que só toca música voltada para as crianças”.

Fiscalização

O texto prevê a fiscalização por parte dos agentes de trânsito. Entre as punições está uma multa com valor a ser definido. “A multa vai ser para casos de reincidência. Primeiro vamos dar advertência e notificar. Se permanecer no erro, aplicamos multa e suspensão para transitar no município”, esclarece.

O PL foi protocolado na semana passada e vai passar pela Comissão de Legislação, Justiça e Redação. Depois disso estará apto para ser votado pelos integrantes da Câmara. Para tornar lei, é preciso ser aprovado em dois turnos e ser sancionado pelo prefeito.

Edição: Vitor Fernandes
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ de maio de 2017 a dezembro de 2021. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas nos prêmios CDL (2018, 2019 e 2020), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).

Comentários