Influenciadora mineira é presa por tráfico internacional após ser flagrada com cocaína em Guarulhos

Laís Crisóstomo
Droga foi encontrada dentro de frascos de suplementos alimentares (Reprodução/@laiscrisostomoaguiar/Instagram)

A influenciadora digital e advogada Laís Crisóstomo Aguiar foi presa no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, com quase meio quilo de cocaína dentro de frascos de suplementos alimentares. Ela viajava com destino a Dubai, nos Emirados Árabes, e está detida desde o dia 5 de agosto por tráfico internacional.

Policiais federais encontraram a droga na mala de um homem que embarcaria junto com ela, enquanto fiscalizavam as bagagens de passageiros com o aparelho de raio-x. Dentro da mala de Peterson de Souza Fontes, havia cápsulas de cocaína dentro dos frascos de suplemento alimentar, além de objetos com a identificação de Laís Crisóstomo.

De acordo com a PF, após encontrarem a droga, os policiais localizaram os passageiros e os conduziram à sede policial para que acompanhassem a revista e perícia em seus pertences. O peso total das cápsulas apreendidas somou 461 gramas e os dois receberam voz de prisão. Ainda segundo a corporação, Laís e Peterson serão apresentados à Justiça Federal, onde responderão pelo crime de tráfico internacional de drogas.

No Instagram, Laís Crisóstomo acumula mais de 400 mil seguidores e ostenta uma vida de luxo, com direito a várias viagens internacionais, passeios de helicóptero e de carros caros. A influenciadora é natural de Montes Claros, no Norte de Minas.

Habeas corpus negado

O advogado de Laís Crisóstomo entrou com pedido de medida liminar de habeas corpus que determinasse a soltura da influenciadora. No pedido, foi argumentado que Laís é ré primária, “com residência fixa e emprego lícito, ressaltando que não há indícios suficientes de autoria, em razão de outro acusado ter confessado que os entorpecentes lhe pertenciam”.

Já para o desembargador Valdeci dos Santos, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, a versão de que a influenciadora não sabia que a droga estava na mala não se sustenta, já que objetos pessoais dela também estavam na bagagem.

“Ademais, a confissão do Peterson de Souza Fontes de que os entorpecentes encontrados lhe pertenciam, não se mostra suficiente para afastar os indícios de autoria delitiva da paciente que foram comprovados nos autos de prisão em flagrante”, defendeu o desembargador, que negou o pedido e manteve Laís presa preventivamente.

O BHAZ entrou em contato com o advogado de Laís Crisóstomo por telefone nesta sexta-feira (13), mas não obteve retorno. Caso a defesa da influenciadora se pronuncie, esta reportagem será atualizada.

Edição: Giovanna Fávero
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduanda em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários