Bolsonaro diz que eleições são ‘self-service’ e dispara: ’10 produtos e uns 8 tóxicos’

Bolsonaro comenta eleições
Declaração foi feita em conversa com apoiadores no cercadinho (Reprodução/Foco do Brasil/Youtube)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) resolveu criticar os possíveis oponentes para as eleições de 2022 com uma comparação inusitada. Em conversa com apoiadores, nesta segunda-feira (22), Bolsonaro disse que a decisão é como um “self-service”, com vários produtos estragados.

“O que eu vejo nas eleições é que é um self-service. Tem uns dez produtos na mesa, temos oito tóxicos, uns oito estragados”, disse o mandatário no cercadinho do Palácio da Alvorada.

Uma apoiadora que conversava com o presidente ainda respondeu, rindo: “desculpa, mas nenhum presta. O povo brasileiro quer o senhor”.

A conversa de Jair Bolsonaro com os eleitores no cercadinho do Palácio foi registrada pelo canal de Youtube bolsonarista Foco do Brasil.

O presidente ainda comentou a confusão que um erro em um aplicativo provocou nas prévias do PSDB, nesse domingo (21). “Viu a confusão ontem? Eu não vou falar nisso, porque eu não tenho nada a ver com o outro partido, mas deu uma confusão em São Paulo ontem. É o tal do voto eletrônico”, disse, rindo.

O PSDB teve que adiar o processo de votação das prévias que vão definir o candidato do partido à Presidência da República, após a plataforma apresentar diversos problemas durante o dia.

Semipresidencialismo

Além de falar sobre as eleições, Bolsonaro também comentou sobre a proposta de adoção do semipresidencialismo, modelo de governo defendido pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). No modelo, o presidente da República compartilha o poder com um primeiro-ministro, eleito pelo Congresso Nacional.

Questionado por um apoiador, Bolsonaro disse que a ideia é “idiota”. “Eu não vou começar a bater boca com ninguém sobre esse assunto. É coisa idiota, idiota. Agora eu falo que jogo dentro das quatro linhas, quem sair fora, eu saio também…”, disse o presidente.

“Se você for levar ao pé da letra o semipresidencialismo, eu teria poder pra dissolver o Congresso, olha aí, tá vendo? Então eu não vou discutir”, completou Bolsonaro ao responder o apoiador no cercadinho.

Na última semana, Arthur Lira voltou a defender o semipresidencialismo ao dizer que o modelo é mais eficaz para combater crises políticas no Brasil. As afirmações foram feitas na abertura do 9º Fórum Jurídico Brasileiro, na Universidade de Lisboa.

“A previsão de uma dupla responsabilidade do governo, ou de uma responsabilidade compartilhada do governo, que responderia tanto ao presidente da República quanto ao Parlamento, pode ser a engrenagem institucional que tanto nos faz falta nos momentos de crises políticas mais agudas”, disse o presidente da Câmara.

Edição: Vitor Fernandes
Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduanda em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários