Nego do Borel chora, fala de racismo e diz que pode tirar a própria vida: ‘Estou depressivo’

Cantor diz que reality show serviria para limpar a própria imagem e lançar novas músicas (Reprodução/@negodoborel/Instagram)

O cantor Nego do Borel se pronunciou na rede social após ter sido expulso do reality show “A Fazenda” por acusação de assédio pelos internautas. Em vídeo postado na noite desse domingo (26), o artista diz que é inocente, ameaça tirar a própria vida e aponta racismo no tratamento do caso. A publicação tem mais de 570 mil curtidas e 90 mil comentários.

Segundo o funkeiro, ele já foi inocentado de diversas acusações antigas, mas continua sendo atacado pelas pessoas. Recentemente, ele foi indiciado por lesão corporal contra a ex-noiva Duda Reis. “Eu sinto que a minha voz não tá valendo de nada. Hoje eu vejo o preconceito, o racismo escancarado na nossa sociedade”, diz.

Nego reclamou de “uma pessoinha” que continuou falando sobre ele enquanto ele estava no reality show, em referência à Duda Reis. “Entrei pro reality, tem uma pessoinha que ficou aqui fora, eu não sei o porquê, essa pessoinha não segue a vida dela, eu não sei por que essa pessoinha levanta pautas e falando do meu nome, escrevendo do meu nome e falando sobre mim”, continua.

De acordo com o cantor, a família está sofrendo com ameaças. “Eu não fico atacando, falando que a pessoa é isso. Cara, tá na mão da polícia, na mão da Justiça. Eu não sei o que acontece. A pessoa fica falando do meu nome o tempo todo. A minha família está sofrendo, eu estou sofrendo. Eu acabei de sair do reality e até agora eu não entendi por que estou aqui na minha casa. A pessoa ficou aqui fora levando várias pautas, falando várias coisas sobre mim. Mano, não sei por quê. Não estou entendendo”, alega.

‘Não é não’

Nego mencionou a modelo Dayane Mello, com quem compartilhou a cama na madrugada de sábado (25), quando ela estava visivelmente bêbada. “Entrei pro reality, conheci a Day. Day é uma pessoa maravilhosa, gentil, simpática. A gente acabou se envolvendo. A gente acabou gostando um do outro. A gente acabou tendo afinidade um pelo outro e aconteceu o que aconteceu que até agora eu não sei por que eu tô na minha casa, eu não consegui entender”, argumenta.

O cantor pediu desculpas à mãe, à avô, às tias e a “todas as mulheres que se sentiram incomodadas” com o acontecimento. “Mas se for pelo fato da Dayane ter dormido comigo no estado que ela tava, queria primeiro pedir perdão à minha mãe, que é mulher, à minha avó, que é mulher, às minhas tias, e depois eu quero pedir desculpas a todas as mulheres que se sentiram incomodadas porque eu não tive maldade na hora, eu não vi maldade na hora”, diz.

Segundo o funkeiro, depois que a modelo disse “não”, ele não fez “mais nada”. “Como a Adriana Galisteu no momento em que ela apresentou falou: quando uma mulher está alcoolizada e ela fala que não, é não, e sim, também é não. Vocês podem ver na filmagem que quando ela fala não, eu vou dormir, eu não faço mais nada. A gente não faz mais nada, a gente não transa, simplesmente eu vou dormir”, alega o cantor.

A câmera do Playplus mudou para outro canto do quarto em certo momento da madrugada e não foi mais possível ver a cama em que Nego do Borel estava com Dayane. Os internautas, porém, escutaram a modelo sussurrar, em diversos momentos: “para com isso, Nego”, “para com essa boca. Para com essa boca”, “eu tenho uma filha”.

‘Amigos me abandonaram’

O cantor reforça que não entendeu ainda o motivo de estar de volta na própria casa. Para Nego, a expulsão também tem relação com as acusações fora do reality show. “As coisas aqui de fora também pesaram, me atrapalharam dentro da casa”, opina. “Eu não sei mais o que eu falo. Cara, minha palavra não tem importância, minha palavra não tem relevância. Tudo que eu falo as pessoas não escutam”, complementa.

“Isso desencadeou uma situação que aconteceu dentro do reality que, cara, eu dormi ao lado de uma pessoa que sim ela tava alcoolizada, a gente tava ali, eu tava ali querendo ficar com ela e ela querendo ficar comigo, isso não era dali, isso já tinha uma história”, argumenta. Os dois já tinham trocado beijos em uma festa passada.

O funkeiro, então, ameaça tirar a própria vida. “Vou acabar tirando a minha vida, não estou blefando, estou falando do fundo do meu coração. Eu estou sendo taxado como bandido, como criminoso. Pô, eu nunca roubei ninguém, não mato, eu não roubo. Tem tanta gente fazendo tanta maldade por aí e eu estou querendo saber o que fiz para merecer tanto ódio”, reclama.

“Amigos me abandonaram, que não quiseram me escutar. Mulheres que não chegam perto de mim porque eu sou uma pessoa assim ou assado. Sou um ser humano, não estou aqui me vitimizando. Eu não sou nenhum santo. ‘Nego do Borel, você é um santo?’ Não, não sou santo não. Eu já falei que eu tenho os meus problemas que eu tô cuidando”, diz.

O ex-peão diz que está sendo alvo de pré-julgamento da internet e pede para que as pessoas esperem as conclusões da polícia. “Eu sou um cara explosivo, eu sou um cara intensivo, eu sou um cara impaciente às vezes. E estou cuidando disso, eu tenho que ter algum defeito, não dá pra ser perfeito. Mas muitas coisas que dizem aos meu respeito não são verdade. E eu tô lutando para provar a minha inocência”.

Racismo

“Meu coração tá todo despedaçado. Eu saí de um reallity em que fiz amizades, que fiz pessoas que gostaram de mim, cara, eu estava feliz ali, eu estava sendo eu. Agora é mais uma coisa que eu perdi na minha vida. Eu não sei mais o que eu faço da minha vida”, lamenta.

Nego questiona se o tratamento do caso tem relação com a cor e a origem dele. “A minha palavra não tem relevância, o que eu falo não tem nada a ver, já venho sofrendo com isso há um tempo. Não tô entendendo. Esse é o racismo na cara da sociedade. É por que eu sou preto? É por que eu vim da favela? É por que eu sou funkeiro? Eu não tô entendendo, mano”, diz.

O cantor fala, mais uma vez, de tirar a própria vida. “Eu vou falar uma coisa do fundo do meu coração. Vocês vão tirar minha vida, vocês vão acabar tirando a minha vida, eu tô depressivo, por dentro eu tô triste, eu tô magoado, eu tô mal. Eu tô por dentro muito quebrado, porque eu sei que é uma coisa que eu não fiz, e eu não fiz por maldade. Não sou o monstro que as pessoas estão falando. Eu não sou estuprador. Eu não sou estuprador. Mas as pessoas não querem saber. Elas querem me julgar”, reclama.

O funkeiro também lamenta a expulsão do reality show, já que o programa serviria como uma forma de limpar a própria imagem e lançar novas músicas na sequência. “Uma coisa que eu entrei pra tentar mostrar que eu era, pra tentar lançar minhas musicas, minhas coisas, tentar trabalhar com honestidade”.

No final, há um trecho da entrevista feita com Dayane pela diretoria do programa da Record.

Prevenção ao suicídio

Ligações para o Centro de Valorização da Vida (CVV), que auxilia na prevenção do suicídio, passaram a ser gratuitas em todo o país em julho do ano passado. Um acordo de cooperação técnica com o Ministério da Saúde, assinado em 2017, permitiu o acesso gratuito ao serviço, prestado pelo telefone 188.

Por meio do número, pessoas que sofrem de ansiedade, depressão ou que correm risco de cometer suicídio conversam com voluntários da instituição e são aconselhados. Antes, o serviço era cobrado e prestado por meio do 141.

A ligação gratuita para o CVV começou a ser implantada em Santa Maria (RS), há quatro anos, após o incêndio na boate Kiss, que matou 242 jovens. O centro existe há 55 anos e tem mais de 2 mil voluntários atuando na prevenção ao suicídio. A assistência também é prestada pessoalmente, por e-mail ou chat.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários