Que fase! Com um a menos, Cruzeiro sai atrás, empata e perde no fim

cruzeiro contra operário
Cruzeiro até tentou, mas não conseguiu sair vitorioso contra o operário (Igor Sales/Cruzeiro)

A cada jogo, a torcida celeste repete a frase: tem coisas que só acontecem com o Cruzeiro. No jogo contra o Operário, o time teve um jogador expulso, saiu atrás no placar com um gol de bicicleta, empatou ainda no 1T, mas escorregou (literalmente) no final da partida. A derrota por 2 a 1 representou o primeiro revés da equipe no comando do técnico Mozart e levou o time ao Z4, com apenas 4 pontos em 15 disputados. O duelo ocorreu nesta noite de sábado (19) no Germano Krüger, em Ponta Grossa (PR). Na próxima rodada, o Cruzeiro tenta a reação contra o Vasco nesta quinta-feira (24) no Mineirão, em Belo Horizonte.

Gramado pesado

Logo no início da partida, foi percebido o gramado encharcado por conta da chuva na cidade paranaense. Em alguns pontos do campo, a bola tinha dificuldades para rolar, “enganando” os jogadores, e isso deixava o jogo das duas equipes mais lento e com baixa precisão nos passes. 

O primeiro chute perto do gol veio apenas aos 27, na tentativa de Marcinho de fora da área. 

Apagão

O Cruzeiro não estava tão mal no jogo, até que aos 28 do 1T, o zagueiro Weverton entrou de carrinho frontal no jogador do Operário e levou cartão vermelho direto: essa foi a 10ª expulsão celeste na temporada. Após a cobrança de falta, Pedro Ken, ex-jogador celeste, cabeceou no travessão. A bola sobrou para o estreante Paulo Sérgio e ele mandou para o gol de bicicleta.

A resposta cruzeirense veio aos 36 do 1T em mais um chute rasteiro de Marcinho, mas Thiago Braga agarrou.

Tudo igual

Mesmo em desvantagem nos números de placar e jogadores, o time celeste conseguiu chegar ao empate ainda na primeira etapa. Na marca dos 43 minutos, a zaga do Fantasma bobeou e Bruno José aproveitou. O atacante fez uma jogada individual próximo à área, chutou, a bola bateu na zaga e voltou para Felipe Augusto, mandar de primeira direto para as redes. O jogador, que já foi do Operário, exerceu a famosa “Lei do Ex”.  

Antes do término do 1T, ainda deu tempo do Operário quase fazer mais um. Vilela chutou de fora da área, a bola fez uma curva e Fábio fez uma defesa difícil.

Operário na frente

O segundo tempo de jogo foi bem menos intenso que o primeiro. O Cruzeiro se recuou para tentar segurar o empate e encaixar um contra-ataque, mas a estratégia acabou falhando. Aos 39 minutos, Djalma Silva chutou de longe, Fábio escorregou na terra molhada de chuva e não conseguiu chegar na bola: 2 a 1 para o time da casa.

O time mineiro até tentou correr atrás do prejuízo, mas o jogo terminou na primeira derrota sob o comando do técnico Mozart e levou o time ao Z4 da competição, com apenas 4 pontos em 5 jogos.

Edição: Roberth Costa
Beatriz Kalil Othero
Beatriz Kalil Otherobeatrizkof@gmail.com

Mineira de BH, graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre os jogos dos times mineiros como repórter freelancer para o BHAZ.

Comentários