Home Notícias BH Médicos do Pronto Socorro entram em greve por melhores condições de trabalho

Médicos do Pronto Socorro entram em greve por melhores condições de trabalho

Os médicos do Hospital João XII (Pronto Socorro) decidiram retomar o estado de greve a partir desta terça-feira (12). A decisão foi tomada após assembleia realizada pelo Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed). A paralisação havia sido suspensa em fevereiro por uma liminar judicial que, posteriormente, foi derrubada pelo sindicato.

Segundo o Sinmed, a paralisação é um protesto contra as péssimas condições de trabalho e falta de estrutura na rede para atendimento à população. “Situação que piora a cada dia”, informa o sindicato.

“Além dos graves problemas que comprometem à assistência, como falta de equipamentos essenciais, como tomógrafo e leitos, os médicos estão recebendo seus salários com atraso e parcelados. O pagamento da última parcela de abril só aconteceu no início de junho”, diz a nota do Sinmed.

Desta forma, de acordo com o Sinmed, “o Hospital João XXIII atenderá as urgências e emergências, após triagem que será realizada pelos próprios médicos obedecendo a um protocolo clínico. Os pacientes que não se enquadrarem nos critérios de urgência e emergência serão encaminhados para outras unidades da rede pública”, explica.

Além dos atendimentos de urgência e emergência, CTI e UTI, o atendimentos às mulheres grávidas de alto risco e mulheres no pré-natal continuam em funcionamento normal.

Fhemig responde

Contatada pelo Bhaz, a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informou que haverá manutenções no prédio do hospital para melhorar as condições de trabalho. As reformas vão desde o banheiro até a mudança dos relógios de ponto e sistemas de ar-condicionado.

Em relação a novas contratações, a Fhemig informa que a reposição das vagas autorizadas está em curso, considerando os processos seletivos simplificados abertos. “Não é possível a contratação de 62 profissionais que seriam necessários para a reabertura de novos leitos, devido ao relevante impacto financeiro. No momento, estamos impedidos de promover qualquer aumento no gasto com pessoal.

Entretanto, segundo a nota, uma  comissão mista composta por representantes da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) e Sindicato dos Médicos, retomará as reuniões com esse objetivo, tão logo sejam concluídos os cálculos do impacto financeiro, tendo por base as propostas apresentadas.

Segundo a Fhemig o atraso no pagamento dos fornecedores é um problema que atinge toda a administração pública do Estado. “A fundação não tem governabilidade sobre as questões referentes ao pagamento do quinquênio, que dependem de mudança na legislação. Da mesma forma, o pagamento integral dos salários, sem parcelamento, e o pagamento do 13º salário dentro do próprio ano são questões que dependem de ações da cúpula do Poder Executivo Estadual”, diz a nota.

Comentários

Carregar mais em BH