Home Notícias BH Obra da PBH completa 14 anos parada e ganha ‘festa de aniversário’

Obra da PBH completa 14 anos parada e ganha ‘festa de aniversário’

Uma área de lazer no bairro São Salvador, região Noroeste de Belo Horizonte, deveria ser construída com recursos de orçamento participativo da prefeitura (PBH). Demandada em 2004 e aprovada em 2006, a obra teve início em 2011, mas não terminou até hoje e está totalmente parada. Como protesto, os moradores fizeram uma festinha de aniversário com direito a “parabéns” para a obra que completou 14 anos. A prefeitura, por meio de nota, disse que existem outras obras prioritárias, e que a de São Salvador ainda não tem data para ser retomada.

Em um terreno de 4 mil m², desapropriado pela prefeitura, na avenida Amintas Jacques de Morais, esquina com rua Assíria, deveria estar construído um espaço de lazer. Contudo, o que se vê é muito mato e uma obra inacabada. Na época, o projeto foi orçado em R$ 2.099.994,00. A PBH não informa quanto do valor já foi gasto e se será reajustado.

A ideia do local de lazer foi do professor Rafael Frois da Silva que, na época, tinha 23 anos. Hoje, com 37, ele lembra de toda a luta. “Fiz a demanda em 2004 e foi aprovada em 2006. Demorou muito, mas começou em 2011. Começou a ser executada no período de chuva e, com isso, atrasou ainda mais. A empresa contratada começou com a construção, mas abandonou o projeto em 2012. A partir daí, não teve mais nada”, explica.

Em tom irônico, o Bloco da Língua, coletivo cultural, cantou “parabéns para você” como forma de protesto contra os 14 anos da obra parada. “A manifestação foi feita não só para lembrar o poder público, mas também para lembrar a comunidade que temos que cobrar. O ‘parabéns’ aconteceu antes do ensaio e contou com algumas pessoas”, conta.

No bairro e no entorno, não existe nenhuma praça ou local de lazer para os moradores. Com a obra concluída, já era para estar construído um ginásio coberto com arquibancada, pista de skate, playground, equipamento de musculação, área de shows, etc. “Agora é só dor de cabeça: mato cresce, pessoas começam a jogar lixo, focos de mosquito da dengue. Passou Fernando Pimentel, Márcio Lacerda, o próprio Kalil chegou a vir aqui, fez promessa de terminar a obra e não fez nada”, conta.

“Não é só questão de esporte e lazer, é de qualidade de vida da comunidade. A gente nem sabe mais como dar um adjetivo para o tema. Já fomos a parlamentares da esquerda, direita, audiências públicas, fizemos protestos. Nada adiantou. A PBH vende uma imagem que tudo está acontecendo bem, isso revolta todo mundo”, desabafa o professor.

Para Rafael, por ser um local com pessoas de baixo poder aquisitivo, a prefeitura não dá prioridade. “Vemos outras obras de locais de classe média sendo priorizadas. A impressão que passa é que eles priorizam as pessoas de classe média ou alta. Esse lema de que governa para quem precisa, não condiz com a realidade”, explica.

Protesto realizado em 2013, quando a obra estava com 7 anos (Arquivo pessoal/Rafael Frois)

Prefeitura se manifesta

De acordo com a PBH, no início de 2017, “havia cerca de 450 empreendimentos aprovados no Orçamento Participativo, que se encontravam parados ou não inicializados em diversas regiões de Belo Horizonte”, diz trecho da nota.

O órgão explica que a partir do primeiro semestre de 2017 até agora, a administração municipal retomou mais de 300 desses projetos escolhidos pela população. “Destes, 88 foram concluídos e os demais estão em andamento em fases diversas (orçamentos, projetos, obras)”, continua a prefeitura por nota.

A PBH ainda afirma que “foi priorizada a retomada dos empreendimentos em vilas e favelas, principalmente os relacionados com urbanização e saneamento básico. Não houve, desde 2017, novas votações do Orçamento Participativo, pois a meta é executar o passivo já existente herdado das gestões anteriores. Neste momento, o Empreendimento nº 52 do OP 2007/2008 – Área de Esporte e Lazer São Salvador está inserido entre os 150 que ainda aguardam a viabilização de recursos para sua retomada”.

Vitor Fernandes

Vitor Fernandes

Jornalista no Portal BHAZ

Comentários