Home NotíciasBrasilJornalista é assassinado na fronteira do Paraguai com o Brasil; vítima era ameaçada de morte

Jornalista é assassinado na fronteira do Paraguai com o Brasil; vítima era ameaçada de morte

Por Arthur Stabile, da Ponte Jornalismo

O jornalista brasileiro Lourenço Veras foi executado a tiros em sua casa na cidade de Pedro Juan Caballero, no Paraguai. A cidade fica na fronteira com o Brasil, na divisa com Ponta Porã, cidade no Estado de Mato Grosso do Sul.

Leia mais: Anvisa diz não ter recebido pedido para pesquisa ou registro de vacina russa

Segundo informações do portal paraguaio ABC Color, Leo, como o profissional era conhecido, estava em sua residência quando foi vítima de um atentado. Atingido por vários disparos, ele não resistiu e morreu.

O ataque aconteceu por volta de 21h dessa quarta-feira (12), quando três homens em um Jeep Cherokee branco o atacaram. Lourenço estava jantando com sua família e tentou correr, mas foi morto em seu quintal.

No Paraguai, o jornalista escrevia para o site Porã News e também trabalhava como correspondentes de veículos brasileiros. Ele trabalhou no próprio ABC Color, que noticiou sua morte.

Leia mais: Motoristas de transporte escolar fazem ‘vanzeata’ por auxílio emergencial

Veras atuava há 15 anos na região e sofria ameaças de morte. Em entrevista para a TV Record, ele detalhou algumas delas. “Enviam mensagem de texto, falando que estavam a caminho de ir embora, alguém ia sofrer atentado e que era para fechar a boca”, declarou.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo
Leo Veras/Facebook/Reprodução

Fórum quer investigação

Em nota, o Fopep (Fórum de Jornalistas Paraguaios) lamentou a morte de Léo Veras. A cobrança é para uma investigação completa. “Também requeremos proteção imediata dos colegas da área contra a insegurança predominante e a falta de garantias para realizar o trabalho de informar”, cobrou.

Pedro Juan Caballero é a cidade onde fica o presídio em que 75 presos, parte deles ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital), fugiram em 19 de janeiro.

Segundo informações do governo do Paraguai, a fuga aconteceu com apoio de agentes prisionais que aceitaram propina. Há relato de presos informando que integrantes do PCC saíram pela porta da frente da prisão.

Guilherme Gurgel

Guilherme Gurgel

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco nas editorias de Cidades e Variedades no BHAZ.

Comentários