Home NotíciasPolíticaZema diz compartilhar da preocupação de Bolsonaro com a ‘questão econômica’: ‘Tomando as medidas certas’

Zema diz compartilhar da preocupação de Bolsonaro com a ‘questão econômica’: ‘Tomando as medidas certas’

zema reunião bolsonaro

Na contramão do discurso adotado pelos governadores dos outros três Estados da região Sudeste, Romeu Zema (Novo) afirmou, após reunião com o Jair Bolsonaro (sem partido), que compartilha “da preocupação do presidente com a questão econômica”. O encontro virtual foi realizado nesta quarta-feira (25) após discurso de Bolsonaro, considerado desastroso por órgãos de saúde de todo mundo, atacando medidas de contenção da pandemia de coronavírus.

+ Bolsonaro contraria órgãos de saúde, ataca medidas contra Covid-19 e é duramente criticado

“Queremos, em primeiro lugar, a preservação da vida, mas compartilho da preocupação do presidente Bolsonaro com a questão econômica”, afirmou o mandatário de Minas, em pronunciamento publicado em suas redes sociais. Na sequência, ao finalizar o comunicado, Zema sinalizou que apoia as medidas tomadas pelo presidente da República.

“Tenho certeza que Minas e o Brasil estão tomando as medidas certas para que nós venhamos a superar esse que talvez seja o momento mais difícil das últimas décadas”, afirmou, após dizer que, como gestor do Estado, está tomando as medidas recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que recomenda o isolamento para brecar a pandemia.

“Quero lembrar que em Minas Gerais nós estamos adotando as melhores práticas, aquelas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde”.

‘Catastrófico’

O governador direcionou seu discurso após a reunião com Bolsonaro e os governadores de São Paulo, Rio e Espírito Santo para o impacto econômico. “Minas Gerais é um Estado que está sendo fortemente impactado. Vamos ter, caso essa situação perdure, uma queda na arredacação de ICMS na ordem de R$ 7,5 bilhões. Isso seria catastrófico para nosso Estado, corresponde a duas folhas de pagamento que o Estado arca mensalmente”, afirmou.

Zema ainda comentou que pressionou o governo federal para que medidas que ajudem Minas economicamente sejam tomadas. “O Ministério da Economia deverá propor medidas visando a preservar os empregados e também os empregadores. Inclusive mencionei isso com o ministro Paulo Guedes. É importantíssimo nós termos algumas medidas neste sentido com uma certa urgência”, afirmou.

Governadores criticam Bolsonaro

Diferentemente de Zema, os governadores dos outros três Estados do Sudeste criticaram o pronunciamento e a postura de Bolsonaro. “Ressuscitar a economia a gente consegue. Ressuscitar quem morreu é impossível”, publicou o gestor do Rio, Wilson Witzel, após a reunião.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), travou um bate-boca com o presidente da República logo no início do encontro. “Na condição de cidadão, de brasileiro, e também de governador, inicio lamentando os termos do seu pronunciamento à nação. O senhor como presidente da República tem que dar o exemplo. Tem que ser mandatário para comandar, para dirigir, liderar o país e não para dividir”, disse o tucano.

+ Doria sobe o tom contra Bolsonaro ao classificar postura como ‘preocupante’: ‘Não são mortos de mentirinha’

Em tom de voz alterado, o presidente acusou o governador de usar “demagogia barata” para fins políticos. “Hoje, subiu a sua cabeça, subiu a sua cabeça, a possibilidade de ser presidente da República. Não tem responsabilidade. Não tem altura para criticar o governo federal, que fez completamente diferente o que outros fizeram no passado. Vossa excelência não é exemplo para ninguém”, disse Bolsonaro.

O governador de São Paulo ainda ameaçou acionar a Justiça caso o governo federal confisque equipamentos e insumos destinados ao combate da pandemia e disse que os mortos não são de “mentirinha”.

Reação do presidente

Bolsonaro se manifestou pela conta oficial com a publicação de uma foto com informações. “38 milhões de autônomos já foram atingidos. Se as empresas não produzirem não pagarão salários. Se a economia colapsar os servidores públicos também não receberão”, diz trecho do texto atribuído ao mandatário.

Aline Diniz

Aline Diniz

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.

Comentários