Home NotíciasBrasilRicardo Nunes deu dicas para ter sucesso um dia antes de ser preso

Ricardo Nunes deu dicas para ter sucesso um dia antes de ser preso

ricardo dicas sucesso

Um dia antes de ser preso, o empresário Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro, respondeu perguntas no Instagram. Ele discorreu sobre dicas para ser um empresário bem-sucedido. Na noite dessa terça-feira (7), ele afirmou que o sucesso só pode ser fruto de “muito trabalho” e que um empresário precisa “aguentar apanhar”.

Ricardo foi questionado por um seguidor sobre como ele conseguiu “ser esse sucesso”. Nunes respondeu que foi preciso trabalhar muito. “Além disso, a pessoa tem que aguentar apanhar. Quem aguenta apanhar mais, que aguenta mais porrada, é o cara que tem mais sucesso. São poucos que aguentam a pressão”, declarou o empresário, que foi preso na manhã desta quarta-feira (8) (leia aqui). Ele é suspeito de não repassar o dinheiro arrecadado em impostos para o governo de Minas.

Leia mais: Ministério da Agricultura divulga relatório final das ações na Backer

Outro seguidor perguntou se, como empresário, é possível “acreditar em um futuro econômico melhor” para o Brasil. Para Ricardo Nunes, os juros de 2,25% ao ano [valor da taxa Selic] são “uma grande oportunidade para crescer, que vai abrir muitas portas”.

Prisão

O empresário Ricardo Nunes foi preso nesta manhã, por suspeita de crimes de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro em Minas Gerais. Além dele, outras duas pessoas foram alvos de mandados de prisão. Nunes foi detido em São Paulo e será trazido para o sistema prisional de Minas Gerais. A filha do empresário, Laura Nunes, também foi detida. Uma pessoa ainda não foi localizada.

Leia mais: Mãe confronta garoto que chamou mulher de ‘depósito de p*’ e briga viraliza

A suspeita é a de que o trio, que fazia parte do quadro de sócios da empresa, desviaram cerca de R$ 400 milhões em impostos que deveriam ser repassados ao governo Estadual. O crime teria sido cometido por, ao menos, cinco anos. De acordo com o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), a Ricardo Eletro cobrava o imposto dos consumidores, embutido no preço dos produtos, mas não fazia o repasse ao Estado. A prática também ocorria em outros locais do país.

Sofia Leão

Sofia Leão

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

Comentários