Vacina contra Covid-19 testada pela UFMG deve sair em 2022

Faculdade de Medicina UFMG
Faculdade de Medicina UFMG é a responsável por testes da vacina da Covid-19 em Minas (Vitor Fernandes/BHAZ)

A UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) anunciou que a terceira fase de testes, em voluntários, da vacina para a Covid-19, deve começar em breve. Essa fase deve durar 24 meses, com a vacina liberada para a população prevista somente em 2022. Em coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (7), na Faculdade de Medicina da UFMG, profissionais que estão a frente dos estudos da vacina Ad26.COV2.S, da norte-americana Johnson & Johnson, contaram que mais de 19 mil voluntários já se inscreveram para participar dos testes.

Cerca de 50 profissionais dentre médicos, enfermeiros, biólogos, farmacêuticos e equipe de dados fazem parte da construção do estudo. Quem já se inscreveu, deve aguardar um retorno da universidade, ainda sem data para ocorrer. Antes de começar o estudo, o participante será encaminhado ao Hospital das Clínicas, onde conversará, por um tempo prolongado, com um médico e um pesquisador.

“O voluntário deverá estar completamente ciente do que significa o estudo, os procedimentos, as restrições que vão haver e também será avaliado clinicamente. Os critérios são muitos, mais de exclusão que inclusão. Primeiramente queremos pessoas de 18 anos para cima, sem limite de idade”, começa a infectologista Júlia Caporali, do Departamento de Clínica Médica da UFMG.

Já existe toda uma estrutura montada, com fluxo estabelecido para os voluntários. “O participante vai receber o produto de investigação, que pode ser o placebo ou a vacina, aqui no nosso ambulatório, no Hospital das Clínicas. Depois ele retorna um mês depois, quando é feita uma nova coleta de exames, e conversar um pouco para ver como ele está se sentindo. E depois temos visitas presenciais, a cada seis meses, até o término do estudo”, continua a infectologista.

“Vamos ter uma forma dos participantes se comunicarem conosco, se tiver algum sintoma de Covid-19, o que é muito importante. Assim poderemos avaliar se aquela pessoa está tendo um desfecho, se está tendo a doença. Nesses casos, vamos pedir para o participante vir aqui. Eventualmente também poderemos fazer coletas domiciliares e conversar remotamente também”, completa.

O objetivo dessa terceira fase é testar diferentes produtos com o máximo rigor científico possível para obter resultados consistentes. Centros vinculados à CoVPN e J&J recrutarão de 30 a 60 mil participantes na Argentina, no Brasil, no Chile, na Colômbia, no México, no Peru, na África do Sul e nos Estados Unidos. A Faculdade de Medicina será responsável por testar a candidata à vacina em até dois mil participantes.

Como se inscrever

As inscrições para os novos testes podem ser feitas por meio deste link. As pessoas que tiverem interesse em se qualificar para um estudo de vacina experimental contra a Covid-19 devem responder um questionário com perguntas como idade, cidade onde mora, em que área trabalha, se tem alguma doença, entre outros fatores.

Os voluntários selecionados participarão do estudo por meio de sete visitas presenciais: uma no dia da vacinação; e, depois, com 1 mês; 2 meses; 6 meses; 1 ano; 1 ano e meio; e 2 anos após a vacinação. O voluntário deve confirmar que tem a disponibilidade de comparecer ao Hospital das Clínicas da UFMG, onde será feita a aplicação da vacina.

Vitor Fernandes
Vitor Fernandesvitor.fernandes@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva do Portal UOL. Com reportagens vencedoras nos prêmios CDL (2018 e 2019) e Sindibel (2019).

Comentários