Vereador que exibiu fuzil no Natal é nomeado vice da comissão de Direitos Humanos de BH

nikolas-ferreira
Nikolas Ferreira, que foi o 2° vereador mais votado de BH, recebeu o cargo de vice-presidente da comissão de Direitos Humanos (Reprodução/@nikolas_dm/Twitter + Karoline Barreto/CMBH)

O vereador bolsonarista Nikolas Ferreira (PRTB) foi nomeado vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Câmara Municipal de BH. Walter Tosta (PL) é o presidente. Os postos foram decididos nessa quarta-feira (3), em reunião na qual Nikolas usava um acessório na gravata em formato de fuzil. Em dezembro do ano passado, o vereador também exibiu, em suas redes sociais, um fuzil que havia comprado de “presente de Natal”

O acordo a respeito de quem ocuparia a presidência e a vice-presidência da comissão recebeu aprovação de quatro dos cinco integrantes do colegiado. Walter Tosta e Nikolas Ferreira ocuparão os cargos nos anos de 2021 e 2022. Os próximos anos, 2022 e 2023, terão a liderança de Bella Gonçalves (Psol) e Miltinho CGE (PDT). Enquanto isso, Bella e Miltinho ocuparão os cargos de titular e suplente na Comissão de Participação Popular do colegiado.

A Comissão de Participação Popular é responsável por analisar e aprovar propostas da Câmara Mirim e do Parlamento Jovem, compostos pelos cidadãos. Anteriormente, de 2017 a 2020, a comissão também organizou reuniões em bairros e comunidades para recolher e examinar as demandas da população. A quinta integrante da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor é a vereadora Macaé Evaristo (PT).

Mesmo com as diferenças ideológicas entre os integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, um diálogo estabeleceu-se nessa primeira reunião. Bella Gonçalves reafirmou a importância do colegiado, que é responsável pela proteção de pessoas socialmente vulneráveis. Dentro disso, a comissão responsabiliza-se por pautas como racismo, homofobia, segurança pública, entre outros.

Fuzil

Bella Gonlçaves também lembrou que eles terão que enfrentar o “problema sério do desemprego e o enfrentamento da fome”, durante e após pandemia. Do outro lado, Nikolas Ferreira, que compareceu à reunião usando um prendedor de gravata em formato de fuzil, agradeceu por ter sido escolhido para compor o colegiado. Ele também disse que já tinha o desejo de ocupar o cargo.

Sobre as possíveis divergências que possam ocorrer entre os membros do colegiado, Nikolas defendeu o diálogo aprofundado e o “debate de ideias, não de pessoas”. Em dezembro do ano passado, o vereador de Belo Horizonte exibiu, em suas redes sociais, um fuzil que havia comprado de “presente de Natal”.

No vídeo mostrando a arma, Nikolas disse que o objeto “não veio lá da favela nem nada, isso aqui é tudo no documento certinho, isso aqui é o que o governo Bolsonaro está fazendo por nós”. O vereador eleito encerra o vídeo levantando o fuzil para cima, e declarando: “O preço da nossa liberdade é a eterna vigilância, e a única coisa que para um homem mau com uma arma, é um homem bom com uma arma”.

Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários