BH tem filas para postos de gasolina em meio a greve dos tanqueiros

fila carros posto de gasolina bh
Longas filas de carros perto de postos tomaram BH (Rafaella Araújo/Arquivo Pessoal)

Longas filas de carros se formam em direção aos postos de gasolina em Belo Horizonte, nesta sexta-feira (26), depois que os transportadores de combustíveis e de derivados de petróleo de Minas Gerais deflagraram greve. A categoria reivindica a redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do diesel, e não tem previsão para voltar às atividades (leia mais abaixo).

Vídeos e fotos que circulam nas redes sociais mostram a concentração de veículos perto dos postos de BH, ocupados por motoristas que temem o desabastecimento de combustível na capital mineira. A mobilização dos caminhoneiros foi organizada pelo SindTanque-MG (Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustível e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais).

Por meio das redes sociais, a BHTrans (Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte) confirma que o trânsito está lento em diversas regiões, por causa das filas para os postos. As avenidas Contorno, Andradas, Afonso Pena, Brasil, Vilarinho, Serrana e Elísio de Brito foram listadas pelo órgão como pontos de tráfego prejudicado.

Reinvindicações

Depois de promover uma carreata de caminhões nessa quinta-feira (25), que saiu de Betim, na região metropolitana de BH, e terminou na Cidade Administrativa, o SindTanque-MG definiu a paralisação da categoria. De acordo com o presidente do sindicato, Irani Gomes, mais de 300 caminhoneiros participaram da mobilização ontem, e toda a categoria aderiu à greve no estado.

Os “tanqueiros” reivindicam que o governo do Estado diminua de 15% para 12% a alíquota do ICMS que recai sobre o diesel. Em comunicado enviado aos associados na segunda-feira (22), o SindTanque-MG afirmou que, em reunião, “representantes da Secretaria de Estado de Fazenda se mostraram irredutíveis e descartaram a possibilidade de reduzir a alíquota do imposto no estado”.

“São mais de 2 mil caminhoneiros participando, 100% da categoria aderiu à paralisação. Estamos aguardando um posicionamento do Governo de Minas. Enquanto não se manifestar, a greve dura por tempo indeterminado”, afirma Irani Gomes.

Ainda de acordo com o presidente do sindicato, apesar de a mobilização estar concentrada em Minas Gerais, representantes de tanqueiros de outros estados começaram a entrar em contato com o SindTanque-MG para organizar paralisações em outras regiões do país. Na manhã de hoje, alguns caminhoneiros também protestaram em frente à Regap (Refinaria Gabriel Passos), em Betim.

Governo descarta redução

O Governo de Minas, por meio de nota (leia na íntegra abaixo), afirma que as mudanças nos preços dos combustíveis “não são em função do ICMS, mas sim da política de preços praticada pela Petrobras”, e descarta a possibilidade de redução da alíquota no momento, “em virtude da situação financeira do estado”.

“Sobre a manifestação realizada ontem na Cidade Administrativa, o Governo esclarece que esteve disponível para ouvir as demandas dos tanqueiros, mas não houve pedido de reunião por parte dos manifestantes”, completa o comunicado da administração estadual.

Nota do Governo de Minas

“O Governo de Minas esclarece que as recentes mudanças no preço dos combustíveis não são em função do ICMS, mas sim da política de preços praticada pela Petrobras. O Estado reafirma seu compromisso de não promover o aumento de nenhuma alíquota de ICMS até que seja possível começar a trabalhar pela redução efetiva da carga tributária. No momento, em virtude da situação financeira do estado, a Lei de Responsabilidade Fiscal exige uma compensação para aumentar receita em qualquer movimento de renúncia fiscal, o que não torna possível a redução da alíquota.

Informamos ainda que o Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF) é atualizado mensalmente levando-se em consideração os preços praticados pelos postos revendedores em todas as regiões do Estado. O resultado da pesquisa realizada pela Secretaria de Fazenda é baseado nas Notas Fiscais emitidas por 4.272 postos revendedores distribuídos em 828 municípios mineiros.

Sobre a manifestação realizada ontem na Cidade Administrativa, o Governo esclarece que esteve disponível para ouvir as demandas dos tanqueiros, mas não houve pedido de reunião por parte dos manifestantes”

Edição: Thiago Ricci
Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

Comentários