Auxílio emergencial em BH será dividido em seis parcelas de R$ 100; valor poderá chegar a R$ 200

dinheiro
Benefício será de R$ 600 na capital mineira (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O PL (Projeto de Lei) que implementa o auxílio emergencial em Belo Horizonte foi apresentado aos vereadores da capital mineira pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD). A proposta consiste em seis parcelas no valor de R$ 100, podendo chegar a R$ 200 para as famílias com filhos regularmente matriculados na rede pública. A entrega da proposição aconteceu nessa quinta-feira (15).

O texto apresentado por Kalil prevê um auxílio no valor de R$ 600 dividido em seis parcelas. O encontro do prefeito com os parlamentares repercutiu nas redes sociais dos vereadores. Macaé Evaristo (PT) detalhou a proposição que foi passada pelo chefe do Executivo municipal.

“A proposta apresentada consiste em seis parcelas de R$ 100 a partir da aprovação, com a possibilidade de mais R$ 100 para famílias com filhos regularmente matriculados. Essas famílias recebem hoje a cesta básica e não mais vão receber. Quando a alimentação escolar voltar a ser ofertada nas escolas, o que deve acontecer em breve, os R$ 100 adicionais serão cortados”, disse.

“O pagamento do benefício em dinheiro é importante porque permite a compra de alimentos, mas também pode comprar um gás ou pagar uma conta de água ou luz. Isso movimenta a economia nas comunidades e bairros periféricos e garante alguma autonomia para a população vulnerável”, ressaltou a vereadora do Partido dos Trabalhadores.

‘Projeto necessário’

A vereadora Duda Salabert (PDT) destacou a importância do projeto. “Ajudará mais de 200 mil famílias da capital e representará um avanço na luta de combate à fome na cidade. O projeto tramitará agora na Câmara e contará com meu apoio”.

A parlamentar ressaltou que um grupo de vereadores chegou a apresentar um PL com o objetivo de conceder o benefício. “Prevíamos seis parcelas de R$ 600 para as famílias em vulnerabilidade social. Fico feliz de ter participado desse importante debate. É um projeto necessário e urgente para cidade. Agora é lutar pela sua aprovação”, concluiu. Contudo, agora, o valor total em estudo é de R$ 600, com seis parcelas de R$ 100.

O PL ainda vai passar pelas comissões da Casa até ser levado para votação em plenário. Ainda não há para quando isso vai acontecer.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Duda Salabert (@duda_salabert)

Edição: Vitor Fernandes
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários