Pesquisar
Close this search box.

Juventude Bronzeada mostra que Carnaval tem política, sim

Por

bloco juventude bronzeada no carnaval 2023
Música de Luiz Melodia foi inspiração para criação do Juventude Bronzeada (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

“Eu entendo a juventude transviada”, cantarolava Luiz Melodia na famosa canção que virou sucesso da MPB, e serviu de inspiração para o nome do bloco carnavalesco Juventude Bronzeada, que agita as ruas de Belo Horizonte desde 2014.

Presença confirmada nas terças-feiras de Carnaval todos os anos, o Juventude Bronzeada faz questão de reafirmar seu papel na cena cultural e política da cidade. No Carnaval BH 2024, promete movimentar a folia de maneira a gerar conscientização e, é claro, muita folia.

Da banda ao bloco

O Juventude Bronzeada começou com o sonho de três amigos. Eles formaram uma banda, de mesmo nome, em 2011, para tocar sucessos do axé dos anos 2000. “A gente começou a tocar pela cidade e coincidiu com o momento de ressurgimento do Carnaval de BH. E aí, todo mundo que ia aos shows ficava incentivando a gente a montar um bloco a partir da banda”, conta Rodrigo Boi, regente e fundador do grupo.

Foi então que, depois de três anos da banda Juventude Bronzeada, o bloco carnavalesco tomou forma e saiu para desfilar no Carnaval de BH, em 2014. “A gente fez o primeiro cortejo na praça Lions, no Floresta, e foi super pequenininho”, relembra o primeiro desfile que contou com cerca de 500 pessoas.

Já no ano seguinte, o cenário foi diferente. “No primeiro ensaio que fizemos [naquele ano], explodiu de gente na Floriano Peixoto. Umas 5 mil pessoas no ensaio. Uma coisa que a gente nem imaginava”.

A partir daí, o bloco decolou e se tornou um dos mais conhecidos de BH. No Carnaval de 2020, os organizadores do coletivo estimam que cerca de 50 mil pessoas curtiram a folia ao som da bateria do Juventude Bronzeada, que, hoje, extrapola o axé e toca clássicos da MPB, marchinhas e outras músicas típicas de Carnaval.

50 mil pessoas curtiram ao som da bateria Juventude Bronzeada no Carnaval de 2020
(Divulgação/Juventude Bronzeada)

Carnaval é política?

Rodrigo faz questão de frisar que no Juventude não existe separação entre Carnaval e política. “A razão de ser do bloco e acho que até do Carnaval de Belo Horizonte é contribuir para a cidade, contribuir para as pessoas que moram na cidade e fazer com que a cidade seja um lugar melhor para se viver”.

Boi diz que enxerga a folia como um movimento cultural coletivo onde “as pessoas têm o direito de estar na rua celebrando, de estar na rua propondo reflexões, porque o Carnaval de Belo Horizonte é um Carnaval questionador. É um Carnaval político”.

(Divulgação/Juventude Bronzeada)

“A gente fica sempre atento àquilo que está acontecendo na cidade, tanto no que diz respeito ao Carnaval e a questões políticas, porque se precisar do bloco para alguma atuação política ou social, a gente está sempre de olho para poder participar”.

Uma das manifestações recentes realizadas pelo bloco foi um ensaio da bateria contra a mineração na Serra do Curral. O intuito era chamar a atenção do público e da imprensa para a importância da pauta.

Mesmo assim, Rodrigo diz que entende as limitações de agência do bloco. “A gente não faz a política diretamente. Então, a gente sabe que tem muito limite dessa atuação. Mas, dentro das possibilidades, o bloco se propõe a participar disso de forma ativa”.

Musicalização

O Juventude Bronzeada ainda trabalha com um projeto de musicalização em massa. Anualmente, as inscrições para a bateria do bloco são abertas e 500 participantes são selecionados para o treinamento. E o regente garante que os resultados são os melhores possíveis.

“Todos os anos eles tocam muito bem e conseguem dar conta do recado”.

(Divulgação/Juventude Bronzeada)

Para ele, a formação de novos músicos é motivo de orgulho. “É uma sementinha que é plantada para pessoas que não são profissionais da música terem essa possibilidade do fazer musical. E isso reverbera muito. Muitas pessoas passam a tocar de forma mais séria. Alguns até se tornaram percussionistas profissionais a partir do bloco”.

Ele calcula que mais de 5 mil pessoas já tocaram na bateria do Juventude Bronzeada. Quem quiser participar da bateria do Juventude Bronzeada deve ficar atento às redes sociais do bloco. É por lá que todas as novidades e datas para inscrição são divulgadas.

E a banda que iniciou toda essa história permanece ativa durante o ano inteiro! “A gente toca em vários eventos da cidade, tanto abertos quanto fechados”. O contato para shows é por meio do e-mail: [email protected].

Carnaval 2024

A presença do Juventude Bronzeada está confirmada no Carnaval 2024 em BH. O bloco sai no dia 13 de fevereiro, às 9h, na Via Sonorizada Andradas (Av. dos Andradas, 3500 – Pompéia).

Até lá, os foliões de plantão podem aproveitar as músicas lançadas pelo Juventude, no EP do grupo. Intitulado “Pra Gente Não Desgrudar”, o EP conta com três canções e está disponível em todas as plataformas digitais.

“Quando a gente começou com o bloco, a gente não tinha muita expectativa, porque foi em um momento que o Carnaval de Belo Horizonte ainda era muito acanhado. Então, a gente não conseguia nem imaginar o que viria a ser o Carnaval como um todo. E eu acho que a Juventude está junto nessa história”, diz o fundador.

Anota aí:

Data: 13 de fevereiro
Endereço: avenida dos Andradas, 3500 – Pompéia
Horário: 09h

Isabella Guasti

Jornalista graduada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e repórter do BHAZ desde 2021. Participou de reportagem premiada pela CDL/BH em 2022 e também de reportagem premiada pelo Sebrae Minas em 2023.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ