Volkswagen ID.3 e ID.4 e Peugeot e-208 GT: feitos para descarbonizar

Volkswagen investe em carros elétricos também no Brasil (Foto: VW/Divulgação)

O mercado automotivo da América Latina – incluindo o Brasil – terá novidades elétricas este ano. Elas foram anunciados pela Volkswagen e Peugeot, que prometem produtos com alta tecnologia e com valores nem sempre acessíveis. Afinal, os elétricos ainda são joias caras, apesar de todos os benefícios ambientais que proporcionam.

A Volkswagen apresentou o ID.3 e ID.4, que já são conhecidos nos Estados Unidos, em alguns países da Europa e ainda na China. Os modelos fazem parte da estratégia de descarbonização da Volkswagen, que visa neutralizar as emissões de CO2 até 2050. Eles vão se juntar no futuro aos híbridos e flex com etanol na região.

Leia mais: Pesados elétricos

Conforme a configuração, um modelo ID pode gerar entre 145 cv e 299 cv de potência máxima. A autonomia varia de 330 a 550 quilômetros. A montadora ressalta que os veículos possuem sistema de recarga rápida que pode recuperar até 80 por cento da bateria em cerca de 30 minutos.

A outra marca que anunciou sua presença elétrica no Brasil é a Peugeot. A montadora francesa, que hoje pertence ao grupo Stellantis, começa a vender o e-208 GT, inicialmente no Rio e São Paulo. No começo de 2022 capitais como Belo Horizonte também terão o modelo em suas concessionárias.

Este Peugeot é capaz de percorrer até 400 quilômetros com carga completa. E pode ter 80% da bateria carregada em menos de 30 minutos, caso o usuário utilize uma estação de recarga de 100 quilowatts.

Ao contrário da Volks que não anunciou o preço do ID, a Peugeot informa que seu e-208GT vai custar no Brasil quase R$ 245.000,00.

Linha ID

ID.3 e ID.4 fazem parte da estratégia de descarbonização da VW (Foto: Volkswagen/Divulgação)

A VW classifica o ID.3 e ID.4 de ousados, inovadores, funcionais, tecnológicos e cheios de personalidade. Chamam a atenção neles o visual arrebatador, em função de proporções únicas, que possibilitaram aos designers da marca aplicar linhas limpas e puras. As rodas são grandes, a distância entre os eixos bem longa e os balanços dianteiro e traseiros curtos.

Leia mais: Elétricos em pauta

O interior é amplo e prático. Os veículos foram montados sobre a plataforma MEB, desenvolvida exclusivamente para os carros elétricos do Grupo Volkswagen. Todos os IDs têm as baterias posicionadas no assoalho, a fim de permitir um melhor aproveitamento do habitáculo.

Ambos os modelos ID. contam com head-up display, com informações projetadas no para-brisa em realidade aumentada. Eles podem projetar inúmeros dados em 3D, sobre funções do veículo, recursos de segurança e até sistema de navegação.

Estrutura das baterias dos modelos ID (Foto: Volkswagen/Divulgação)

Importância das baterias

Os sistemas de baterias dos carros são parte integral na transformação em realidade da estratégia chamada Accelerate pela Volkswagen. A marca anunciou que irá aumentar significativamente suas vendas de veículos elétricos até 2030.

Ela pretende aumentar o número de unidades de modelos totalmente elétricos vendidas na Europa em 70%, e em 50% nos Estados Unidos e na China. O objetivo no longo prazo é a completa descarbonização da marca em termos de equilíbrio ecológico até 2050.

Para o compacto ID.3 há opções de três tamanhos de baterias. A versão compacta com conteúdo energético líquido de 45 kWh permite uma autonomia de até 352 quilômetros com uma única carga (WLTP). Com 58 kWh, o alcance sobe para até 426 km (WLTP). A bateria maior, com conteúdo energético líquido de 77 kWh, proporciona uma autonomia máxima de 549 km (WLTP).

Leia mais: Jac traz cinco elétricos

As alternativas são semelhantes para o ID.4: o E-SUV pode percorrer até 346 quilômetros (WLTP) com a bateria de 52 kWh, e uma autonomia de até 522 quilômetros (WLTP) é possível com a bateria de 77 kWh. O ID.4 GTX traz a tração integral com dois motores e potência máxima de 220 kWh para a família ID.

A bateria armazena 77 kWh de energia (líquidos), o suficiente para um alcance realista de até 480 quilômetros (WLTP). Ele será lançado nos mercados europeus neste verão (quarto trimestre do ano).

O ID.3, com a bateria de 45 kWh, tem uma potência de 110 kW (150 cv), enquanto no mesmo carro, com a bateria de 58 kWh, a potência é de 107 kW (146 cv) ou 150 kW (204 cv), dependendo da preferência do cliente. Com a bateria de 77 kWh, o ID.3 entrega sempre 150 kW (204 cv) de potência, exatamente como o ID.4.

A bateria de 52 kWh também é disponibilizada para o E-SUV com duas opções de motores, proporcionando respectivamente uma potência de 109 kW (148 cv) e 125 kW (170 cv).

Os veículos foram montados sobre a plataforma MEB (Foto: Volkswagen/Divulgação)

Carga CA e CC

As baterias do ID.3 e do ID.4 possibilitam carga tanto em CA (corrente alternada) como CC (corrente contínua). Em uma estação de carga doméstica, elas têm uma capacidade de carga de até 11 kW, dependendo do tamanho da bateria.

Numa estação de CC de alta potência, carros com conteúdo energético líquido de 45 kWh ou 52kWh podem ser carregados a até 50 kW ou, opcionalmente, até 100 kW. O ID.3 com bateria de 58 kWh armazena 100 kW de serie, enquanto a bateria de 77 kWh pode receber até 125 kW. Isso significa que os carro podem ser recarregados com corrente contínua para os próximos 320 km (segundo o WLTP) em cerca de 30 minutos.

Peugeot na onda

O Peugeot e-208 GT desembarca no Brasil antes dos ID da Volks. O modelo vem com motor que entrega 260 Nm de torque imediatos (26,5 kgfm) e 136 cv de potência (100 kW), que o permite acelerar de 0 a 100km/h em 8,3 segundos.

O carregamento do e-208 GT pode ser em tomadas convencionais do tipo residenciais ou em sistemas rápidos (Foto: Peigeot/Divulgação)

Há três modos de condução disponíveis. O “Eco” tem como foco a otimização da autonomia; já o “Drive” é indicado para garantir o conforto ideal nos deslocamentos do dia a dia, enquanto o “Sport” prioriza o desempenho, utilizando-se da potência e torque máximos.

O câmbio tipo joystick dispõe de cinco modos de seleção: P (Park – estacionamento), D (Drive), N (Neutro), R (Ré) e B Mode. Este último atua de modo a garantir regeneração da bateria, a fim de otimizar a autonomia do veículo. O condutor pode escolher entre “moderado”, para sensações semelhantes às de um veículo a combustão, e “aumentado”, para uma desaceleração controlada pelo pedal do acelerador.

Leia mais: Elétricos querem mais

Com 50 kWh de capacidade, o Peugeot e-208 GT é capaz de percorrer até 340 quilômetros com carga completa (ciclo WLTP) e pode chegar a 400 quilômetros conforme o uso de equipamentos eletrônicos, como o ar-condicionado e som – ou seja, quanto mais estiverem ligados, menos autotomia o carro terá.

Plug conecta

O carregamento pode ser em tomadas convencionais do tipo residenciais ou em sistemas rápidos. Este é composto por um plug Type 2, para corrente alternada (AC), e plug CCS-2, para corrente continua (DC).

O carregamento começa imediatamente após a conexão do cabo, e o usuário acompanha o status a partir das luzes indicativas de recarga (branco = abertura para conexão do plug; verde: piscante = em carregamento e fixo = carga completa; vermelho = anomalia/problema na recarga). Para soltar o plug, basta destravar as portas do veículo.

Assim, o e-208 GT pode ter 80% da bateria carregada em menos de 30 minutos, caso o usuário utilize uma estação de recarga de 100 kW (o que, na prática, significa recuperar cerca de 270 quilômetros de autonomia) – os dados de utilização e consumo da bateria e do powertrain elétrico são ilustrados no painel. A bateria tem oito anos de garantia, com limite de quilometragem de 160 mil quilômetros.

Ecossistema

Para a montadora o lançamento do compacto faz parte de um ecossistema de mobilidade elétrica com pilares estratégicos no movimento Move To Electric. Este ambiente inclui, portanto:

  • e-Centers, uma rede de concessionárias estruturada para a apresentação, comercialização e reparos de veículos elétricos;
  • Pós-Vendas e Call Center qualificados para garantir excelência na oferta de serviços e de atendimento ao cliente;
  • Seleção de parceiros homologados e certificados para auxiliar nas demandas do consumidor.

Wemob Wall e ecovagas

Faz parte desde sistema o carregador Wemob Wall, da Weg, para uso em residências e condomínios, em redes monofásicas e bifásicas. Possui conectividade Wi-Fi, LEDs de sinalização, controle de acesso por TAGs, app EV Drivers e funções de medição de energia e smart charging. Com 7,4 kW ou 22 kW de potência, ele permite uma recarga rápida da bateria do veículo.

Leia mais: Teste do Peugeot 208 Griffe

As ecovagas também estão no bolo. Elas foram idealizada pela rede de estacionamentos Estapar, com unidades em todo o País, e pela Enel X, empresa de soluções energéticas. Esses espaços são de recarga semipública para veículos híbridos e elétricos, onde os clientes são beneficiados com serviço de recarga gratuitos.  

Para ter acesso facilitado a rede de eletropostos o cliente contará com suporte da plataforma CART, do Grupo Stellantis, válida dentro e fora da cidade. Essa tecnologia de mapeamento é fruto de uma parceria firmada pela marca a Tupinambá, principal startup de infraestrutura de eletromobilidade nacional.

Acesse: www.aceleraai.com.br

Acelera Ai
Acelera Airedacao@aceleraai.com.br

Jornalistas Eduardo Aquino e Luís Otávio Pires são os editores do site Acelera Aí e da seção veículos do portal Bhaz

Comentários