KLB retorna a BH com show comemorativo dos 20 anos de carreira: ‘Não tem como apagar a história’

klb
Com mais de 20 anos de carreira, KLB comemora com a turnê ’20+2 Experience’ (Divulgação/Fabio Nunes)

Sucesso nos anos 2000, o trio KLB retorna a Belo Horizonte para um show no Palácio das Artes, no dia 13 de agosto, em celebração às duas décadas do lançamento do primeiro álbum, o “KLB”. Os ingressos para a apresentação já estão chegando ao fim, e Kiko não esconde a ansiedade para chegar à capital mineira.

Em entrevista ao BHAZ, Kiko, um dos integrantes do grupo, conta que Minas Gerais é o estado que mais recebeu shows da KLB nos 24 anos de carreira. “Certamente é um prazer, um privilégio, um orgulho voltar para BH. Cantar para a galera daí é algo incrível que a gente sempre gostou”, afirma o guitarrista.

Intitulada “20+2 Experience”, a turnê está percorrendo o Brasil para comemorar, também, os 20 anos de carreira da banda. São duas horas de apresentação com os maiores hits do trio, como “A dor desse amor”, “Ela não está aqui”, “Um anjo”, “Minha timidez”, “Por que tem que ser assim?”, entre outros sucessos.

KLB (Divulgação/Fabio Nunes)

Repertório foi ‘problema bom’ de resolver

Kiko conta que foi um “problema bom” montar o repertório para essa turnê, pois existem muitas canções que marcaram os fãs da KLB. “São 22 músicas, a gente está tudo mais ou menos no ’22’. Em alguns shows, quando possível, porque depende do local, a gente faz 24, vinte e duas do show mais 2 de bis”.

“É triste porque algumas ficaram de fora, mas estamos felizes de ter tanta história e tanto sucesso para poder fazer parte desse momento e poder dividr com a galera. Cantar ‘A Dor Desse Amor’, que foi a primeira, para a gente sempre é emocionante. É um número especial que a gente faz num local especial dentro do palco”.

Falando em história, o integrante do grupo ressalta que tem sido interessante ver as gerações de pais, filhos e avós que estão assistindo aos shows. “É muito gostoso ver que a galera está com a gente. A fidelidade do nosso grupo, a forma como a KLB foi conduzida e essa conexão com as pessoas é uma coisa inexplicável”.

Kiko, da banda KLB (Divulgação/Caio Duran)

“Só quem vive isso há 22 anos pode perceber, saber e dizer o quanto que a nossa conexão é incrível, transborda amor, é fantástico”, declara Kiko. “A gente participou da infância, da adolescência, ou mesmo da fase pré-adulta de muita gente, e são fases que marcam demais a nossa vida, que você descobre muita coisa”.

‘A gente criou uma relação de amor’

Franco Scornavacca, o Kiko, acrescenta que a banda sente orgulho e privilégio por “poder ter sido referência, amparo, companhia e conforto em tantos momentos na vida dessa galera. E isso se torna algo eterno, por isso essa fidelidade e esse amor de lá para cá e daqui para lá”.

“O que a gente criou foi uma relação de amor, muito mais do que uma simples relação de fã-ídolo. Nós criamos uma conexão, uma história. E a história não tem como apagar, só reviver, viver e escrever novas páginas”, diz o guitarrista.

O trio de irmãos Kiko, Leandro e Bruno, daí a sigla “KLB”, formou a banda de pop e pop rock no ano de 2000, em São Paulo, e marcou o público jovem brasileiro. Ao longo da carreira, o grupo vendeu cerca de 4 milhões de discos. Em 2013, a banda passou pelo primeiro hiato, e retornou em 2014 para comemorar 15 anos.

KLB faz turnê ’20+2 Experience’ (Divulgação/Caio Duran)

Anota aí:

O show no Palácio das Artes começará às 21h, e os ingressos restantes estão divididos em plateia superior, cujo valor é R$ 180, e plateia 2, por R$ 220. O benefício de meia-entrada está disponível para idosos, menores de 21 anos e portadores de ID Jovem. Acesse aos tickets neste link.

Endereço: Av. Afonso Pena, 1537, Centro

Edição: Roberth Costa
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários