Ao defender Piquet, comentarista da Jovem Pan tem fala racista sobre Neguinho da Beija-Flor: ‘Só vê a gengiva’

Zoe Martínez e Neguinho da Beija-Flor
Ela citou Neguinho da Beija-Flor para defender que o termo ‘neguinho’ não teria conotação racista (Reprodução/Jovem Pan + @neguinhodabeijafloroficial/Instagram)

A comentarista Zoe Martínez, da Jovem Pan, usou uma expressão racista para defender o ex-piloto Nelson Piquet. Durante o programa “Morning Show”, nessa terça-feira (28), ela citou Neguinho da Beija-Flor para defender que o termo “neguinho” não teria conotação racista, dizendo que o sambista é “negro, negro, que na escuridão a gente só vê a gengiva”.

Os participantes do programa debatiam o termo racista que Piquet usou para se referir ao piloto Lewis Hamilton. O brasileiro chamou o britânico de “neguinho” durante uma entrevista e, em resposta, Hamilton disse que “essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte”. Já nesta quarta-feira (29), Piquet pediu desculpas e disse que palavra sofreu uma “tradução errada”.

Questionada se o episódio seria derivado do racismo estrutural no país, Martínez rebateu: “então o Neguinho da Beija-Flor também é, né, racista? E olha que ele é negro, negro, que na escuridão a gente só vê a gengiva”.

“E ele tem muito orgulho de ser negro, da cor da pele dele. Tanto é que o nome dele é Luiz Antônio, alguma coisa assim, e ele é conhecido como o Neguinho da Beija-Flor porque ele tem orgulho da sua raça. Qual é o problema?”, completou.

Com a repercussão da fala, o filho do Neguinho da Beija-Flor repudiou o comentário de Zoe Martínez nas redes sociais. “Usar meu Pai como exemplo para tentar amenizar o que o Nelson Piquet falou sobre Hamilton só fez piorar a situação”, escreveu.

Piquet e Hamilton

Um dia após a repercussão internacional de uma declaração do ex-piloto Nelson Piquet com um termo racista sobre Lewis Hamilton, o brasileiro se desculpou publicamente com o britânico. Alegando que sua frase sofreu uma “tradução errada” da palavra “neguinho”, Piquet disse que o termo não é racista no Brasil.

“O que eu disse foi mal pensado, e não defendo isso, mas vou esclarecer que o termo usado é aquele que tem sido amplamente e historicamente usado coloquialmente no português brasileiro como sinônimo de ‘cara’ ou ‘pessoa’ e foi nunca teve a intenção de ofender”, diz trecho da nota.

Na visão do piloto, ele não utilizaria um termo de forma pejorativa e foi mal interpretado. “Eu nunca usaria a palavra da qual fui acusado em algumas traduções. Condeno veementemente qualquer sugestão de que a palavra tenha sido usada por mim com o objetivo de menosprezar um piloto por causa de sua cor de pele”.

Ontem, Lewis Hamilton, piloto heptacampeão de Fórmula 1, usou as redes sociais para rebater o comentário racista de Nelson Piquet.

A declaração racista foi dada em 2021, quando Piquet comentou um acidente que envolveu Hamilton e Max Verstappen. No entanto, o vídeo só viralizou nesta semana.

“O neguinho [Lewis Hamilton] meteu o carro e deixou porque não tinha jeito de passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele é que só o outro [Verstappen] se f*deu”, disse Piquet em entrevista ao canal Motorsports Talk.

Edição: Roberth Costa
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduada em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários