Filha de Olavo de Carvalho pede que Deus o perdoe ‘de todas as maldades que cometeu’

Olavo de Carvalho
Heloísa de Carvalho rompeu com o pai, Olavo, ainda em 2017 (Reprodução/@Carvalho_A_Helo/Twitter + Reprodução/@olavodecarvalho/Instagram)

Após a confirmação da morte do escritor Olavo de Carvalho, aos 74 anos, figuras públicas como integrantes da família Bolsonaro têm se manifestado por meio das redes sociais. Ao contrário dos seguidores e pessoas próximas de Olavo, uma das filhas dele adotou um tom crítico ao comentar a morte do pai. Por meio do Twitter, Heloísa de Carvalho pediu que Deus perdoe Olavo “de todas as maldades que cometeu”. Ela ainda seguiu falando da postura do pai em relação à Covid.

“Que Deus perdoe ele de todas as maldades que cometeu”, escreveu Heloísa ao compartilhar a nota de falecimento do pai, nesta terça-feira (25). Olavo de Carvalho estava internado em um hospital de Richmond, na Virgínia, nos EUA. A nota não informa a causa da morte do escritor.

‘Sincera comigo e meus sentimentos’

Em resposta ao primeiro tuíte, Heloísa Carvalho ainda citou a postura do pai em relação à pandemia de Covid-19. “No dia que o Olavo postou que não tinha uma morte por Covid [no Brasil], perdi uma querida amiga, que era viúva e deixou três crianças com menos de 10 anos órfãs”, lembrou ela.

“Olavo morreu de Covid, não tem como eu sentir grande tristeza pela morte dele, mas também não estou feliz. Sendo sincera comigo e meus sentimentos”, continuou a filha de Olavo de Carvalho.

“Os patrões negacionistas não quiseram afastá-la do trabalho, empregada doméstica, pegava condução e pegou Covid, eu ainda a aconselhei uns cinco dias antes dela pegar Covid a se demitir, mas quem iria sustentar as três crianças”, contextualizou Heloísa sobre a amiga que morreu.

Heloísa cortou relações com o pai

A relação de Heloísa de Carvalho com o pai foi conturbada. Ela é uma dos oito filhos do escritor e em diversas entrevistas apontou ter sido impedida de estudar por ele, aprendendo a ler apenas na adolescência. Advogada, ela rompeu com o pai ainda em 2017. Três anos depois, em 2020, lançou o livro “Meu Pai, o Guru do Presidente”. Nele, Heloísa relata situações em que o pai se envolveu, como liderar seitas, uma de astrologia e outra islâmica, além da passagem dele por um manicômio.

Roberth Costaroberth.costa@bhaz.com.br

Editor do BHAZ desde junho de 2018 e repórter desde 2014. Participou do processo de criação do portal em 2012. É formado em Publicidade e Propaganda pela Faculdade Promove. Participou de reportagens premiadas pela CDL/BH em 2018, 2019 e 2020, além de figurar entre os finalistas do prêmio Sindibel, em 2019, e Sebrae de Jornalismo, em 2021.

Comentários