Pesquisar
Close this search box.

André Valadão volta atrás e diz que pregador preso por estupro em SP era líder na igreja Lagoinha

Por

andré valadão joilson freitas prisão
André Valadão se pronunciou novamente sobre caso do pregador da Lagoinha preso por estupro (Reprodução/@andrevaladao/Instagram + YouTube)

O pastor André Valadão voltou atrás e disse que Joilson Freitas, pregador preso por estupro contra menores de idade, era líder na Igreja Batista Lagoinha. Após a prisão do suspeito, na última quarta-feira (8), em Guarulhos (SP), Valadão disse que Joilson não era pastor e sim apenas “um membro na igreja”.

Em novo pronunciamento no Instagram, nesse sábado (10), Valadão disse que a primeira nota publicada pela Igreja Batista Lagoinha sobre o pregador preso por estupro não ser líder na instituição estava “dentro da informação que tínhamos sobre a vida do Joilson na igreja”.

“Até então, o que era cabível de conhecimento a nós, que ele era um membro comum, ativo na vida da igreja. Porém, ontem, no dia 9 de junho, soube claramente para nós na Lagoinha Global, que ele era um líder ativo na vida da igreja. Ele não era pastor na igreja, nem pastor consagrado”, diz o novo pronunciamento.

Página da Lagoinha mostra Joilson como pastor

Embora Valadão tenha esclarecido que Joilson não é pastor na Igreja Batista Lagoinha, em uma página do Facebook chamada “Lagoinha Guarulhos”, com informações sobre a instituição e diversos conteúdos sobre atividades nessa igreja, há uma postagem intitulando o acusado de estupro como pastor.

Na publicação, feita em maio deste ano, a página convidou os fiéis para o “Culto Fé” e colocou Joilson Freitas como pastor convidado do evento. Junto também está o pastor Marco Túlio, líder da Igreja Batista Lagoinha Guarulhos.

Postagem da página Lagoinha Guarulhos convidando para culto com pastor Joilson Freitas (Reprodução/Facebook)

Pastor da Lagoinha Guarulhos nega que Joilson era pastor

Marco Túlio também se pronunciou sobre o caso em seu Instagram, na manhã deste domingo, e também disse que Joilson Freitas não era “pastor consagrado”. O religioso reiterou a informação de que o acusado de estupro “exercia uma liderança sobre um departamento da igreja”.

“Esse moço era um líder ativo, mas não era um líder de células infantis, nem de adolescente. E também não era pastor porque ele nunca foi ordenado, não recebeu o óleo sobre a cabeça como é a prática da Igreja Batista da Lagoinha numa ordenação”, disse Marco Túlio.

Lagoinha se pronuncia novamente

Em nova nota, a Lagoinha Global também informou que “soube apenas na última sexta-feira” que Joilson Freitas “exercia um cargo de liderança ativa na comunidade”. A instituição reforçou que o suspeito dos crimes não era pastor.

“O acusado recebia uma ajuda de custo para os trabalhos voluntários que exercia e não tinha autorização – bem como nenhum líder possui – para realizar atendimentos fora do prédio da igreja”, disse a Lagoinha Global.

“De acordo com as informações dos líderes que o acompanhavam diretamente, era alguém acima de qualquer suspeita e nunca demonstrou indícios de que agia com tamanha brutalidade. O ocorrido surpreende e fere de forma indescritível toda a igreja em Guarulhos”, afirmou a instituição.

Confira a nova nota da igreja na íntegra:

Entenda o caso

O pregador Joilson Freitas, da Igreja Batista Lagoinha, foi preso nessa quarta-feira (8) suspeito de estuprar crianças em Guarulhos (SP). Um vídeo do portal Metrópoles mostra o momento em que a Polícia Civil prendeu o líder religioso em seu apartamento.

No momento da prisão, o pregador disse que “crê saber” o motivo pelo qual foi levado para a delegacia. De acordo com informações da publicação, a prisão é temporária. Conforme as investigações da polícia, Joilson liderava uma célula de crianças há 12 anos.

Durante os encontros, ele obrigava as crianças a pesquisarem vídeos e fotos pornográficos e chantageava os meninos para que não contassem nem aos pais e nem aos fiéis da igreja. Ele estuprava os menores no escritório de seu apartamento, segundo informações do portal.

Andreza Miranda

Graduada em Jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e repórter do BHAZ desde 2020. Participou de duas reportagens premiadas pela CDL/BH (2021 e 2022); de reportagem do projeto MonitorA, vencedor do Prêmio Cláudio Weber Abramo (2021); e de duas reportagens premiadas pelo Sebrae Minas (2021 e 2023).

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ