Israel detecta nova variante do coronavírus nunca vista antes

Nova variante da Covid-19 possui dois casos confirmados em Israel
Nova variante da Covid-19 possui dois casos confirmados em Israel (Imagem Ilustrativa/Rovena Rosa/Agência Brasil)

O Ministério da Saúde de Israel anunciou a detecção de dois casos de contágio por uma variante ainda não identificada do Covid-19, nesta quarta-feira (16). A nova variante seria uma combinação da subvariante BA.1 dominante da Ômicron e outra subvariante, BA.2, e não demonstra gravidade aparente. Os sintomas detectados foram leves e não necessitaram de atendimento especial.

O Ministério da Saúde do país divulgou um comunicado explicando para a população sobre a nova mutação do vírus. “Esta variante ainda não é conhecida no mundo, e os dois casos foram descobertos, graças a testes de PCR feitos no aeroporto Ben Gurion, na entrada de Israel”, informou a nota. “As pessoas contaminadas apresentaram sintomas leves de febre, dores de cabeça e musculares e não precisaram de cuidados médicos especiais”, continuou.

De acordo com o “The Times of Israel”, o diretor-geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash, disse em entrevista a uma rádio que a nova variante pode ter origem em Israel. “É provável que tenham sido infectados antes de embarcar no voo em Israel. A variante poderia ter surgido aqui”, disse o diretor. “Ainda não sabemos o que isso significa”, completou.

O chefe da estratégia anticovid do governo israelense, Salman Zarka, também deu uma entrevista a outra rádio confirmando que a variante é local. “Uma jovem infectou um bebê e seus pais”, pontuou. “O fenômeno das variantes combinadas é bem conhecido”, observou. “Neste momento, não estamos preocupados com [a nova variante levando a] casos graves.”

Aumento da transmissão

Israel passa por um aumento na taxa de transmissão do coronavírus e, embora a nova variante não indique uma nova onda de infecções, o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, se reunirá com autoridades de saúde para abordar a crescente dos números.

A preocupação das autoridades acompanha o calendário judaico que terá diversos feriados próximos que causam reuniões de família e levaram a altas taxas de infecção no passado. A reunião com os responsáveis da saúde deve ocorrer ainda nessa quarta-feira.

Edição: Roberth Costa
Giulia Di Napoligiulia.di.napoli@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários