Pesquisar
Close this search box.

OMS abre nova investigação sobre a origem da Covid-19 na China

Por

Origem da Covid-19 será investigada novamente
Covid-19 (Imagem ilustrativa/Viktor Forgacs/Unsplash)

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomendou uma nova investigação aprofundada sobre a hipótese de a Covid-19 ter surgido a partir de um acidente de laboratório. A instrução ocorre um ano depois de a possibilidade ter sido considerada extremamente improvável, e descartada. Na época, especialistas criticaram a ação da ONU de descartar tão rapidamente a possibilidade do acidente no Instituto de Virologia de Wuhan, na China, onde os primeiros casos surgiram em 2019.

A hipótese do acidente laboratorial foi considerada extremamente improvável e descartada, sendo defendida a ideia de que o vírus foi transmitido para humanos a partir de morcegos. Contudo, no novo relatório semanal da OMS, divulgado nessa quarta-feira (8), o grupo de especialistas que redige o material afirmou que faltavam dados importantes para afirmar a origem da pandemia.

Assim, hipóteses novas e antigas retornaram ao radar dos cientistas. “Permanecerão abertos a toda e qualquer evidência científica que se torne disponível no futuro, para permitir testes abrangentes de todas as hipóteses razoáveis”, diz o documento. Apesar da teoria do vazamento do laboratório ser altamente politizada, ela ainda não pode ser descartada.

Em março de 2021, a OMS realizou um relatório, após pesquisa na China, que concluía a origem do vírus como sendo a partir do morcego. Porém, recentemente, a organização admitiu que a conclusão foi prematura e que era sensato deixar todas as hipóteses em aberto até haver uma resposta definitiva. Essa nova pesquisa pode demorar anos para concluir a origem do Coronavírus, sendo necessário várias abordagens, incluindo estudos que avaliam o papel de animais selvagens e estudos ambientais em locais onde o vírus pode ter se alastrado pela primeira vez.

Giulia Di Napoli

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ