Meu pai me procurou depois de 33 anos para me registrar e eu disse não

Felipe dos Anjos Almeida
Felipe mostra identidade sem o nome do pai (Arquivo pessoal)

Durante muitos anos não ter o nome dele nos meus documentos sempre foi uma questão de vergonha pra mim, de incômodo. Quando criança, isso sempre me pegava de uma forma mais pesada.

As escolas sempre têm aquelas datas comemorativas e o dia dos pais era o pior, lembro até hoje daqueles desenhos que a gente recebia no dia para colorir e entregar em casa para o pai. E eu sempre pensava: ‘que diferença faz colorir isso, não tenho para quem entregar’. Eu tinha inveja dos meus amigos contando suas histórias com seus pais, o final de semana em que foram para o clube, ou fizeram algo juntos.

Quando criança a gente não entende bem o que aconteceu, a gente sente falta e se questiona. Mas, não tem a maturidade e maldade necessárias para entender a realidade dessa ausência. Na adolescência, no entanto, a gente sabe exatamente o que isso significa.

Acho que foi essa parte da minha vida que eu odiei realmente, não apenas a ele, mas também aquele campo vazio na minha identidade. A busca do primeiro emprego e as frequentes questões sobre “FILIAÇÃO” e eu colocando desconhecido, era vergonhoso, humilhante, fazia de tudo para ninguém ver meu RG, tentava a todo custo não ter que falar sobre o tema. A adolescência foi de longe a fase da minha vida que me deixou mais marcas e mágoas.

Minha relação com meu pai nunca existiu, mas ele não era um estranho. Eu sabia o nome dele, sabia exatamente onde ele estava e ele sabia exatamente onde eu estava, mas nunca houve vontade dele de estar perto. Com o tempo, relacionamentos, trabalho, estudo, vida, contas, mais trabalho, aos poucos fui aprendendo que a ausência do meu pai na minha vida e no meu registro se tornaram apenas um mero detalhe.

As minhas conquistas, o meu crescimento, a minha evolução e o apoio eterno da minha mãe e avó foram mais do que o suficientes para me tornar o homem de bem que me orgulho de ser.

Eu percebi que eu tinha tudo que eu precisava, que aquele espaço em branco no meu registro é na verdade minha maior conquista de superação. É ele que me fez ser o que eu sou, foram todos os dias na esperança de ter um pai, como meus amigos, que me moldaram como a pessoa que sou hoje. Eu sei que, para muitas pessoas, ter um pai independente do momento que ele apareça na sua vida é essencial, e eu entendo isso e apoio.

Levei anos para aprender a amar meu nome, meus documentos, e eu aprendi a amá-los, a ter orgulho deles. Quando surgiu a oportunidade de ser registrado pelo meu pai, a minha decisão de não aceitar não foi baseada em rancor, ou por mágoa.

Pelo contrário, neguei por amor, amor que eu descobri ter por mim, amor que eu tenho pela minha história de superação. Amor que eu aprendi a ter ao escrever centenas de vezes em processos seletivos ‘desconhecido’ no campo de pai, amor que eu tenho de ser filho da dona Maria Ivonete, que se eu pudesse colocava o nome dela duas vezes no meu registro, no campo de pai e de mãe.

Minha decisão de não aceitar o registro não impede meu convívio com ele, são duas coisas diferentes. Eu o perdoo, eu aceito ele na minha vida, mas não como pai, como um amigo, como alguém que pode fazer parte do meu dia a dia, a isso ele é mais do que bem-vindo.

O perdão não apaga o passado, mas mais importante do que curar antigas feridas é conseguir seguir em frente e criar nosso futuro. Meu futuro será escrito com ele fazendo parte da minha vida, mas o meu passado será exatamente como foi, comigo e minha mãe.

E, apesar de ser apenas um documento, ele é o meu documento, o meu nome, a minha história, e ela se escreve com FELIPE DOS ANJOS ALMEIDA, filho de mãe solo.

Dizer sim quando quero dizer não é dar mais valor aos outros do que a mim, e se tem algo que eu aprendi em toda essa história é que eu sempre vou me dar valor e eu sempre vou escolher o que me faz bem, por isso eu escolhi não ter o nome dele.

Felipe dos Anjos Almeida
Felipe dos Anjos Almeida

Felipe dos Anjos Almeida é pós-graduado em contabilidade internacional, com passagens por multinacionais como Accenture, Infosys e LIQ. Também desenvolve projetos de mentoria e treinamento gratuito, em tecnologia, para pessoas LGBTQIA+.

Comentários