Início de motim e queima de ônibus são registrados na Nelson Hungria

Nelson Hungria presos fogo
Presos não concordam com protocolo de visitas (Reprodução/Redes Sociais)

Detentos da Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, iniciaram na noite de ontem (26) um motim por causa da mudança no protocolo de visitas aos encarcerados. Houve queima de objetos e o Corpo de Bombeiros foi acionado. Os militares informaram que as chamas teriam sido causadas pelos internos que queimaram colchões e roupas. Ainda de acordo com a corporação, após o combate ao fogo, os agentes conseguiram entrar nas celas.

Do lado de fora da penitenciária, por volta das 20h, também de acordo com os bombeiros, um ônibus da linha 302 C foi completamente destruído. Quatro indivíduos encapuzados entraram no coletivo e ordenaram que os presentes descessem do veículo. Esse é o sexto ônibus incendiado em menos de duas semanas (relembre aqui). Parentes dos presos foram até o local protestar e acompanhar os trabalhos dos agentes e dos bombeiros.

Fogo dentro da Nelson Hungria (Reprodução/Redes Sociais)

Como serão as visitas?

A principal reivindicação tem relação com o retorno das visitas, após seis meses de pandemia. O modelo da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) segue o padrão definido no “Minas Consciente”, programa de flexibilização do Governo de Minas (relembre aqui).

Presos e familiares reclamaram do tempo de de visitação [20 minutos], além da distância entre os encontros [30 dias]. Contagem, onde está a Nelson Hungria, pertence à região central e está na Onda Amarela (veja abaixo).

Cidades que estão na onda verde (Reprodução/Sejusp)
Cidades que estão na onda amarela (Reprodução/Sejusp)
Cidades que estão na onda vermelha (Reprodução/Sejusp)

O que permanece suspenso

Ainda permanece suspensa a entrada de itens de alimentação, remédios, vestuário, higiene e limpeza levados diretamente por familiares, organizações da sociedade civil ou terceiros cadastrados.

Continua, no entanto, permitido o envio de itens via serviço postal ou aqueles doados e encaminhados diretamente ao almoxarifado central da Sejusp, como vem sendo realizado desde o início da pandemia. Esta medida busca reduzir a aglomeração na porta das unidades prisionais em razão da necessidade de vistoria dos itens, bem como uma possível contaminação presente nas embalagens.

O que diz a Sejusp?

A Sejusp informou, por meio de nota, que não houve um motim e que a situação foi controlada. Veja a nota na íntegra:

“Não procede a informação de que tenha havido um motim na Penitenciária Contagem I – Nelson Hungria. Não houve perda do controle da segurança na unidade e todos os presos permaneceram dentro das celas. 

Ao longo da noite último sábado (26), policiais penais contiveram um ato de subversão à ordem dos detentos da unidade prisional. Os presos ficaram agitados com a informação da queima de um ônibus nas proximidades da penitenciária. Alguns deles promoveram focos de fogo utilizando-se de pedaços de colchões. Os focos foram controlados com o auxílio do Corpo de Bombeiros Militar”. 

Edição: Aline Diniz
Aline Diniz
Aline Dinizaline.diniz@bhaz.com.br

Editora do BHAZ desde janeiro de 2020. Jornalista diplomada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há 10 anos e com experiência focada principalmente na editoria de Cidades, incluindo atuação nas coberturas das tragédias da Vale em Brumadinho e Mariana. Já teve passagens por assessorias de imprensa, rádio e portais.

Comentários