Sob pressão, Bolsonaro se humilha, mas não consegue apoio de Zema

bolsonaro zema
Durante evento na Fiemg, Bolsonaro mostrou apoio ao atual governador de Minas Gerais (Reprodução/FIEMG/YouTube)

A visita de Bolsonaro a Minas, na quinta (28), demonstrou a desorientação do atual momento de sua pré-candidatura à reeleição ao cargo de presidente da República. No mesmo dia, um dos maiores institutos do país divulgou pesquisa em que ele estaria perdendo a eleição no 1º turno. Segundo o Datafolha, o maior rival dele, o ex-presidente Lula (PT) ampliou a vantagem entre eles, com diferença de 21pontos percentuais, capaz de dispensar segunda votação.

Outro dado, menos científico e mais político, é o fato de Bolsonaro insistir e apelar ao governador mineiro, Romeu Zema (Novo) para que lhe estenda a mão na campanha. Ao lado de Zema, Bolsonaro agarrou o braço dele, já que a mão não lhe foi dada, e disse que “não se mexe em time que está ganhando”.

Reafirmou, pela segunda vez em solo mineiro, de maneira explícita o apoio à pré-candidatura do governador, deixando seu candidato Carlos Viana(PL) no constrangimento do isolamento. No dia 30 de abril, fez o mesmo em Uberaba, na abertura da Expozebu, afirmando que Zema era exemplo de político e de governador.

Governador continua em cima do muro

Em ambos eventos, Zema reagiu de maneira protocolar e sem pedir votos para Bolsonaro. Em entrevista, justificou-se dizendo que seu partido, o Novo, tem candidato próprio a presidente, que é o empresário paulista Felipe D’ávila. Ou seja, o governador continua em cima do muro diante da polarização Lula e Bolsonaro enquanto lidera as pesquisas em Minas. Nas mesmas sondagens, Lula está liderando as pesquisas por aqui também. Dessa vez, é  Zema não quer mexer em time que está ganhando, já que o eleitor mineiro, especialmente do interior (a maioria), está o escolhendo para governador e Lula para presidente. Pragmatismo oportunista e eleitoreiro comum na política tradicional da qual o partido Novo dizia ser avesso.

A leitura política que vai ficar, no entanto, é que ele e Bolsonaro estão juntos, embora Zema diga o contrário. Vai ficar carimbada a identidade entre eles, que será explorada por Kalil e os rivais. Viana, por outro lado, não compareceu ao evento empresarial bolsonarista em que o presidente recorreu a Zema. Disse que não foi não foi convidado. No outro evento, em que compareceu no mesmo dia, em Coronel Fabriciano (Vale do Aço), para inauguração de moradia popular, Viana foi; Zema não. Nem por isso, Bolsonaro pediu votos para o pré-candidato de seu partido.

Tudo somado, está ficando claro que a futura candidatura de Viana seria mais um fake News de Bolsonaro para pressionar Zema. Como disse, pragmático, o governador mineiro governador não deu demonstrações de socorrê-lo.

Gás a R$ 89,90 e gasolina a R$ 4,85 em BH

O preço do botijão de gás que subiu 32,45% nos últimos 12 meses, segundo o IBGE, será vendido com o desconto referente à cobrança de impostos em Belo Horizonte. Na próxima quinta (2), o valor de venda do botijão será de R$ 89,90 contra os R$ 109,65, cobrados atualmente com a incidência do imposto.

A venda será realizada pela distribuidora Amigão Gás, localizada na Rua Estrada do Cercadinho – 1.315, bairro  Jardim América. Serão comercializadas 200 unidades, limitada a uma por pessoa. A compra será por ordem de chegada e com distribuição de senhas e o pagamento pode ser feito em dinheiro ou PIX. As senhas começam a ser distribuídas às 7 horas e a venda tem início às 8 horas.

Outro produto que segue com o preço nas alturas e será vendido sem o valor dos tributos no dia 2 de junho é a gasolina. Em Belo Horizonte, o litro da gasolina será vendido a R$ 4,85 (o preço médio na bomba é de R$ 7,60) pelo Posto Pica-Pau (Avenida do Contorno, 10.325 – Barro Preto). Serão comercializados 5 mil litros de gasolina. Para realizar o abastecimento, é necessário respeitar a ordem de chegada na fila e a sequência de senhas, que serão distribuídas a partir das 8 horas do dia 2 de junho.

Dia nacional sem impostos

A ação de venda de produtos com o desconto referente ao valor dos impostos faz parte do Dia Livre de Impostos (DLI), movimento realizado em todo território nacional. A iniciativa pioneira é da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) e da CDL Jovem de Belo Horizonte. “Nosso objetivo é conscientizar a população quanto aos altos índices de impostos pagos pelo cidadão e que não retornam em forma de serviços essenciais como saúde, educação, segurança e outros”, explica o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.

Orion Teixeiraorionteixeira.orionteixeira@gmail.com

Jornalista político, Orion Teixeira recorre à sua experiência, que inclui seis eleições presidenciais, seis estaduais e seis eleições municipais, e à cobertura do dia a dia para contar o que pensam e fazem os políticos, como agem, por que e pra quem.

É também autor do blog que leva seu nome (www.blogdoorion.com.br), comentarista político da TV Band Minas e da rádio Band News BH e apresentador do programa Pensamento Jurídico das TVs Justiça e Comunitária.

Comentários