Pesquisar
Close this search box.

Autêntica completa 9 anos em BH com trinca de shows especiais: ‘Orgulho do que construímos’

Por

"Festa de aniversário" acontece em três oportunidades, com Pato Fu, Black Alien e The Mike Stern Band (Divulgação/Flávio Charchar)

Há nove anos, a música autoral encontra abrigo na Autêntica, em Belo Horizonte. Fundada em 2015, a casa de shows celebra, nesta semana, seu nono aniversário e emenda uma trinca de apresentações comemorativas, a começar por Pato Fu, já nesta quinta-feira (25).

Cravada atualmente na rua Álvares Maciel, no Santa Efigênia, a Autêntica ocupa o espaço deixado pelo saudoso Lapa Multishow, finado ponto de encontro musical da noite belo-horizontina. Mais do que a dimensão física, do endereço, o empreendimento se propõe a preencher uma lacuna comercial do mercado.

“A função principal da Autêntica tem sido a de dar espaço para bandas novas, para produções recentes, e nesse sentido, tem sido a casa mais legal de BH”, diz John Ulhoa, fundador e guitarrista do Pato Fu. “Ainda mais por ser uma casa de tamanho médio, que é o que mais falta na cidade. Sempre foi assim, desde os anos 80”.

Sócio-fundador do negócio, Léo Moraes diz que, por alguns anos, Belo Horizonte esteve órfão de um espaço desse porte. Do fechamento do Lapa, em 2011, à abertura da Autêntica, em 2015, a carência fez com que o empreendedor, acompanhado por um grupo de sócios, se movimentasse em prol da comunidade.

“E a solução foi essa, porque a gente sentia falta de um espaço que pudesse comportar artistas de diferentes estilos e expressões. Sentia falta de uma estrutura boa para os artistas de fora, da cidade, mas pro público também”, relembra.

‘Aposta na relação’

Alocada, agora, na zona Leste da capital, a história da Autêntica começou a alguns quilômetros dali, no coração da cidade, a Savassi. De 2015 a 2020, a casa ocupou o número 1172 da rua Alagoas, até paralisar as atividades em meio à pandemia da Covid-19.

A reabertura, em 2022, apesar de estratégica, não foi mais fácil que os passos iniciais. A casa precisou levantar uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar parte substancial do valor utilizado na reforma do espaço deixado pelo Lapa, que, após o fechamento, servia de estacionamento particular.

“Foi a aposta que fizemos na relação que a gente tinha construído com o público da cidade”, conta Léo Moraes. “E aí, a partir do barulho que a gente conseguiu fazer, outros sócios entraram. Com eles, vieram alguns patrocínios, e a coisa rolou”.

(Reprodução/Instagram)

Léo diz que, embora a campanha de financiamento coletivo tenha sido um sucesso, a Autêntica não conseguiu arrecadar 100% do valor necessário para a reforma. “É um peso que a gente carrega até hoje, mas conseguimos o suficiente para abrir da forma que foi”.

O empreendedor também destaca a importância de sustentar uma curadoria de aposta em novos talentos, pelo valor cultural que isso entrega ao público. “Tem shows que são arriscados de fazer pelo valor, pelo custo e tal, mas a gente acha que é importante eles virem pra cidade. Então nós fazemos um esforço pra continuar assim, ainda que a saúde financeira não esteja perfeita”, completa.

Nove anos!

Da abertura pra cá, somado o hiato de dois anos, quando a ideia de uma nova Autêntica amadurecia em isolamento social, a casa completa nove anos. E a festa de aniversário acontece em três oportunidades, diárias, a partir desta quinta-feira (25).

Quem puxa a fila dos parabéns é a turma do Pato Fu, que dispensa apresentações. Há 30 anos a banda passeia pelo circuito cultural mineiro, ao passo em que o constrói. Surpreendemente, o show desta quinta será o primeiro do grupo sobre o palco da Autêntica, nova ou antiga.

“A gente já passou por lá, mas não como Pato Fu”, revela John. “Eu fiz participações, a Fernanda (Takai, vocalista da banda) também, e já fomos assistir a muitas apresentações, é claro. Mas nunca tocamos enquanto banda”, diz.

A sequência de apresentações segue com o rapper carioca Black Alien, na sexta-feira (26), e com o grupo estadunidense de jazz The Mike Stern Band, no sábado (27). A amostra sintetiza o extrato musical da casa durante essa quase primeira década de vida: do seio de BH se abriu para o Brasil, até se tornar abrigo de compositores do mundo afora.

“A gente olha pra trás com muito orgulho do que construímos. E também olha pra frente com um pouco de incerteza por causa desse mercado difícil. Mas o que prevalece é a curiosidade pra saber quais caminhos a música vai nos levar, que tipo de shows vamos fazer nos próximos nove anos”, fita Léo.

Então se liga!

Aniversário da Autêntica
Local: R. Álvares Maciel, 312 – Santa Efigênia
Datas: 25, 26 e 27 de abril
Shows: Pato Fu (25), Black Alien (26) e The Mike Stern Band (27)
Ingressos: pelo site da Autêntica

Thiago Cândido

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais. Colunista no programa Agenda da Rede Minas de Televisão. Estagiário do BHAZ desde setembro de 2023.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ