Casa Matriz, em BH, anuncia troca de gerência e festa de despedida: ‘Idade de dar um tempinho’

Fundada em 2000, Casa Matriz é comandada pelo casal Edmundo e Andrea Corrêa há 24 anos (Reprodução/Facebook)

Casa de shows, bar e incontornável “inferninho” das matinês belo-horizontinas, o Matriz se prepara para uma nova fase. Após 24 anos de atividades, a gerência do espaço anunciou a “passagem da tocha acesa” para um novo dono. A despedida será em forma de celebração, já neste final de semana, em programação que reúne “crias da casa”.

“Pra falar do Matriz eu tenho que voltar lá atrás, nos anos 1990”, relembra Edmundo Corrêa, fundador do empreendimento. A viagem no tempo aterrissa na porta do bar Calabouço, bem antes da abertura do Matriz. Primeiro estabelecimento de Edmundo, o negócio pavimentou o caminho que desembocaria, anos mais tarde, no subsolo do Edifício JK.

“Mesmo sendo bar, era um espaço cultural, porque a gente já era ligado ao movimento cultural de BH”, diz Edmundo, sobre o Calabouço. “Quando começamos a trazer música ao vivo, a coisa espalhou pela cidade, então nós pensamos: vamos pro Centro”.

E foram, Edmundo e sua companheira Andrea Corrêa, logo no começo dos anos 2000. Durante duas décadas, eles ocuparam o ponto mais baixo do JK com o Matriz, refúgio adequado para jovens interessados na cena hardcore, punk e metal de BH.

“Como eu já tinha essa coisa da cultura de raiz no Calabouço e outra mais alternativa, da cena rock, no Butecário (outro bar de Edmundo), eu quis fazer essa junção. Trabalhar com pluralidade”, destaca o empreendedor. Não demorou para as atrações mineiras passarem a dividir espaço com bandas de outros estados, e, mais tarde, internacionais.

Pandemia

Com o surto global de Covid-19, o Matriz teve que se reinventar. Pioneiro nas matinês de domingo, o “inferninho” se transformou em restaurante, chegando a vender caldos, sucos e até canjica por delivery para “segurar as pontas”. Na esperança de continuar com o espaço, Edmundo e Andrea levantaram uma campanha de arrecadação coletiva em 2020.

O apoio prestado à cultura local e independente voltou para o Matriz em forma de solidariedade. Artistas, frequentadores da casa e amigos do casal se mobilizaram em prol das contas, que, aos apertos, acabou fechando. Na época, o BHAZ conversou com Edmundo, que via “um cenário arrasador pela frente”. Leia a matéria de 2020 neste link.

Casal Edmundo e Andrea Corrêa (Matriz Casa Cultural/Divulgação)

Após dois anos de perrengue, o plano de vacinação nacional deu novos ares para o Matriz. E endereço também. Em março daquele ano, o “inferninho” se juntou à Casa do Jornalista, espaço cultural do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais, e formou a Casa Matriz.

“A ideia era ficar pouco tempo mesmo, pra gente desacelerar um pouco”, conta Edmundo sobre o recomeço no novo lugar. “Nossa vida é muito pesada. Já estamos na idade de dar um tempinho”.

O empreendedor cultural Léo Moraes, que comanda a Autêntica, e um grupo de investidores assumem o barco daqui pra frente. “A gente que escolheu ele”, diz Edmundo. “A gente queria uma pessoa que a gente conhecesse e que praticamente cresceu com a gente. O Léo frequenta nossos espaços desde a época de Calabouço”.

Despedida?

Então, é hora de dizer “até logo” ao casal Corrêa. Adeus, de jeito nenhum. “Nós não vamos parar com a produção. Nós vamos pra Sabará fazer outro espaço. E a gente vai tá sempre aqui, na Casa dos Jornalistas, na Casa Matriz, dando apoio pro pessoal”, diz Edmundo.

O empreendedor revela que deve inaugurar, em breve, um projeto na Estrada do Ferro, em Sabará, na Grande BH. O espaço já tem nome: Entre Trilhas – Comida e Arte. “Lá, vamos receber todas e todos com o carinho de sempre. Um novo ciclo se inicia”, convida o público.

A despedida temporária de Edmundo e Andrea na Casa Matriz também já tem data marcada. Entre sábado (18) e domingo (19), o casal estará na festa “A virada – passagem da tocha acesa”. A programação do evento, com entrada gratuita até certo horário, reúne pratas da casa e passeia por diversos gêneros musicais, do soul aos DJs de indie.

Confira a agenda completa do rolê no post abaixo.

Então se liga!

A virada – passagem da tocha acesa
Local: Casa Matriz | Av. Álvares Cabral, 400 – Centro
Data: entre 18 e 19 de maio
Horário: das 10h do dia 18 às 5h do dia 19
Ingressos: gratuitos até às 16h50 de sábado, no Sympla

Thiago Cândido[email protected]

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais. Colunista no programa Agenda da Rede Minas de Televisão. Estagiário do BHAZ desde setembro de 2023.

SIGA O BHAZ NO INSTAGRAM!

O BHAZ está com uma conta nova no Instagram.

Vem seguir a gente e saber tudo o que rola em BH!