Após denúncia de preços abusivos, polícia fiscaliza 50 postos de combustível da Grande BH

fiscalização postos
Um dos postos, localizado em BH, voltou o preço indicado no painel obrigatório com a chegada da polícia (PCMG/Divulgação)

A Polícia Civil de Minas Gerais fiscalizou, na tarde de hoje (22), 50 postos fornecedores de combustíveis em BH e na região metropolitana que estavam sob suspeita de irregularidades. A ação partiu de denúncias de consumidores à Decon (Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor) que relataram a cobrança de preços abusivos em meio à greve dos tanqueiros.

“A partir dos levantamentos, organizamos um roteiro para fiscalizações com quatro equipes do Departamento, totalizando 50 policiais civis empenhados em ações operacionais e de inteligência”, explica o chefe do Departamento Estadual de Investigação de Fraudes, delegado Júlio Wilke.

Dois dos estabelecimentos fiscalizados em Belo Horizonte – localizados nas regiões Centro-Sul e Barreiro – apresentaram indícios de preços abusivos e serão investigados pela Decon. Um dos postos, inclusive, voltou o preço indicado no painel obrigatório com a chegada da polícia, com a redução significativa de 30 centavos no litro do etanol e 20 centavos no de gasolina.

Como denunciar

A titular da Decon, delegada Danúbia Quadros, garante que a polícia vai continuar atenta a novas denúncias que possam surgir nos próximos dias. “Os responsáveis pelos postos que estamos investigando, se constatadas irregularidades, podem responder por crimes contra as relações de consumo, previstos na Lei 8137/90”, conclui.

As denúncias, mantidas em sigilo, podem ser encaminhadas à polícia por meio do Disque Denúncia Unificado 181 ou 197.

Fim da greve

A greve dos tanqueiros de Minas Gerais, que paralisou toda a categoria desde ontem (21), foi suspensa na tarde desta sexta-feira (22). Em comunicado, o Sinditanque-MG (Sindicato dos Transportadores de Combustíveis e Derivados de Petróleo do estado de Minas Gerais), Irani Gomes, disse que a categoria “não vai desistir” (veja mais aqui).

“Nós não vamos desistir, mesmo com a insensibilidade do governo que só faz promessa e não cumpre. Vamos continuar com essa batalha e aguardamos que dias melhores virão”, disse em vídeo divulgado na noite de hoje.

Apesar do pouco tempo de duração, a capital já havia começado a registrar desabastecimento e filas longas em alguns postos. Em BH e na região metropolitana, a paralisação veio junto com a corrida aos postos – desde ontem e ao longo desta manhã, era possível visualizar grandes filas de carros nas ruas para abastecer (veja mais aqui).

Com PCMG

Edição: Giovanna Fávero
Larissa Reis
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários