Abrasel pede que bares e restaurantes funcionem até 22h a partir desta semana

Abrasel pede flexibilização bares
O pedido é que as flexibilização passe a valer neste domingo, no Dia das Mães (Amanda Dias/BHAZ)

A Abrasel (Associação de Bares e Restaurantes) pediu nesta terça-feira (4) que a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) flexibilize o horário de funcionamento dos estabelecimentos na capital. Segundo o pedido da Abrasel, uma das propostas é que os espaços possam funcionar até às 22h e também aos domingos.

A Abrasel pede que a flexibilização seja feita já para este domingo (9), no Dia das Mães, data com mais movimento para o comércio. Segundo nota, a “intenção da entidade é que reabertura avance à medida que taxa RT e ocupação dos leitos clínicos e de terapia intensiva diminua”.

De acordo com o planejamento proposto pela associação no atual cenário, a sugestão é que os estabelecimentos ampliem o horário de funcionamento para às 22h, com tolerância até às 23h. Neste cenário, o limite será de quatro pessoas por mesa.

Caso as UTIs e leitos de enfermaria atinjam menos de 50% de ocupação e a taxa de transmissão da Covid-19 continue abaixo de 1, a intenção é que não haja restrições de funcionamento para bares e restaurantes, além da expansão do limite de seis pessoas por mesa.

Comitê vai avaliar

O pedido ainda precisa ser avaliado pela equipe de Saúde da Prefeitura. A PBH informou que o “Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19 se reunirá nesta quarta-feira (5) para avaliar o cenário da pandemia e para definir os rumos da flexibilização”.

Desde o dia 21 de abril, bares e restaurantes em BH estão autorizados a funcionar de segunda a sábado, das 11h às 16h, com a venda de bebidas alcoólicas. Já aos domingos, os estabelecimentos ficam fechados para o público e podem atender somente por delivery e retirada de produtos no balcão.

Kalil já havia descartado possibilidades

Uma nova flexibilização do comércio para os Dia das Mães está descartada em Belo Horizonte. É o que disse o prefeito Alexandre Kalil (PSD) em entrevista à Rádio Itatiaia. O mandatário da capital mineira afirmou que o momento é de “cautela” e cogitou um novo fechamento, caso os indicadores da pandemia de Covid-19 apresentem piora.

Representantes dos lojistas e dos comerciantes de bares e restaurantes desejavam a ampliação do horário de funcionamento em razão da data comemorativa. Só que os planos não serão atendidos pela PBH (Prefeitura de Belo Horizonte). Kalil disse que primeiro é preciso fazer a avaliação do impacto da abertura iniciada há uma semana para definir os próximos passos.

“Na próxima quinta-feira (6), nós teremos o ciclo de 14 dias, quando teremos cientificamente a comprovação do número dessa abertura. Então, nós tivemos o cuidado, inclusive, de reabrir o comércio para pegar o Dia das Mães. Agora, não podemos cair no mesmo erro. Eu acho que um pouco de cautela e caldo de galinha não vai fazer mal para ninguém. Está tudo aberto”, disse.

Edição: Roberth Costa
Jordânia Andrade
Jordânia Andradejordania.andrade@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Comentários