Após liberação de bebida, Abrasel faz apelo: ‘Sigam os protocolos’

Cerveja bar aglomeração
Abrasel pede para que clientes não se aglomerem (Reprodução/Pixabay + Giovanna Fávero/BHAZ)

Com a flexibilização das medidas de combate à Covid-19 anunciada pela PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) ontem (5), os estabelecimentos estão permitidos de vender bebida alcoólica até às 22h a partir deste sábado (6). Com isso, a Abrasel-MG (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais) lançou a campanha “Ajude a manter este bar aberto”. O presidente da associação ainda pediu aos donos de bares, restaurantes, e clientes que respeitem protocolos.

Em publicação na rede social da associação, o presidente Matheus Daniel Pires de Moraes disse que a liberação foi um grande avanço para o setor. “A liberação da venda de bebidas alcoólicas em Belo Horizonte a partir do dia 6 de fevereiro é um grande ganho para o setor de bares e restaurantes. Um diálogo foi aberto com a prefeitura, isso é muito positivo”.

O presidente ainda elogiou o Secretário Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão e disse entender a necessidade das medidas de restrição na próxima semana: “O secretário André Reis entendeu o nosso pleito, levou até o comitê e conseguimos então começar uma flexibilização. Podemos dizer, ainda tímida, nesse início, até o carnaval, mas entendemos a importância de não se gerar aglomeração”.

Matheus aproveitou para fazer um apelo. “Então é muito importante nesse momento que os donos de bares e restaurantes sigam os protocolos e também que os frequentadores entendam a responsabilidade deles. Chegou em um bar que está cheio, vai para outro, amanhã você vem mais cedo e frequenta aquele”, recomendou.

Por fim, o presidente da associação de bares pediu a união de todos: “É importante que todos se unam para que os bares fiquem aberto e gerem esse momento de descontração que tanto é importante para nossa cidade e nos caracteriza como a capital mundial dos botecos”.

Campanha

abrasel orientacoes
Bares e restaurantes associados à Abrasel estão divulgando as orientações (Divulgação/Abrasel)

A Abrasel-MG aproveitou para lançar a campanha “Ajude a manter este bar aberto”. No anúncio, a associação pede para que os clientes façam a sua parte, usem máscara para ir ao banheiro, não permaneçam em pé, não se sentem com mais de quatro pessoas na mesma mesa, não juntem as mesas e que respeitem o distanciamento das filas.

A associação também pediu: “Peçam a saideira mais cedo. O bar tem horário de fechar”. No banner, a Abrasel faz um apelo: “Você não quer que os bares fechem novamente, né?”.

Flexibilização

A PBH anunciou, nessa sexta-feira (5), uma flexibilização para a venda de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes da cidade. A partir de hoje (6), os belo-horizontinos já podem consumir esse tipo de bebida até às 22h. A flexibilização, que é válida até a sexta que vem (12) e após a Quarta-Feira de Cinzas, no dia 17, ocorre porque os indicadores da PBH quanto à Covid-19 registraram queda.

No “Carnaval”, entre o próximo sábado (13) e a Quarta-Feira de Cinzas (16), os shoppings da cidade devem fechar as lojas e manter funcionando somente serviços essenciais e a praça de alimentação. No próximo domingo (14), os estabelecimentos precisam estar fechados, sem funcionamento de nada.

Já em relação aos bares e restaurantes, durante o período em que seria comemorado o Carnaval, o funcionamento será assim:

  • No próximo fim de semana (13 e 14): Bares e restaurantes não poderão abrir;
  • De segunda (15) a quarta (17): Funcionamento liberado com venda de bebida alcoólica de 11h às 15h – horário em que os estabelecimentos devem fechar as portas.

Indicadores

Último boletim epidemiológico divulgado pela PBH, nessa sexta-feira (5) (Divulgação/PBH)

Antes do anúncio nessa sexta-feira (5), o secretário de Saúde, Jackson Machado, informou que a ocupação da enfermaria voltada para Covid está em 48,4%; a de leitos de UTI Covid, 68,4%; e a taxa da transmissão, 0,88%.

“Isso é uma queda muito significativa em relação ao valor dos índices de três semanas atrás, quando o comitê sugeriu ao prefeito que restringisse as medidas de flexibilização na cidade. E pra nós é óbvio, é muito claro que essa queda se deve a essas medidas [de restrição]”, afirmou o secretário, que também coordena o comitê responsável por apontar restrições e flexibilizações da cidade.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários