Após polêmicas, SBT lança campanha contra LGBTfobia: ‘Queremos evoluir juntos’

SBT lança campanha contra LGBTfobia
Após polêmicas, Patricia Abravanel pede respeito a pessoas LGBTQIA+ (Reprodução/Twitter)

O SBT começou o ano de 2022 de uma forma surpreendente e, após várias polêmicas envolvendo o tema, a emissora decidiu lançar uma campanha contra a LGBTfobia. Em vídeo divulgado nas redes sociais, Patricia Abravanel e outros apresentadores contratados por Silvio Santos falam sobre a problemática social, convidando o telespectador a uma jornada de evolução.

“Há 15 anos, o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo”, inicia Patrícia Abravanel na campanha. “E o que você, o que nós temos a ver com isso? LGBTfobia é crime. E a gente contribui com isso sempre que nos omitimos”, continua o texto.

“Quando propagamos discursos de ódio, quando ofendemos a luta de tantas pessoas, quando não respeitamos os direitos do outro. Sabendo dessa realidade, precisamos nos unir e buscar a transformação. E ela começa em cada um de nós. A família SBT quer evoluir junto com você. E aí, você vem?”, conclui a ação, que contou com a fala de diversos funcionários.

Além da apresentadora, pronunciam-se os artistas Maria Gal, Jaqueline Libera, Cristiane Candido, Luiz Alano, Chris Flores, Murillo Daros, Otávio Martins, Gabriel Cartolano, Soraya Camargo, Celso Portiolli e Eliana. Após a última fala, é disponibilizado um QR Code que direciona ao site SBT do Bem, plataforma da emissora que mobiliza os internautas “em prol de uma sociedade melhor”.

Emissora é envolvida em polêmicas LGBTfóbicas

A ação desenvolvida pelo SBT vem após inúmeras falas preconceituosas, protagonizadas, em especial, por Patricia Abravanel. Em junho do ano passado, a filha de Silvio polemizou ao minimizar a homofobia e defender pessoas conservadoras, dizendo que elas deveriam ser mais respeitadas. À época, a apresentadora defendeu Caio Castro e Rafa Kalimann, que publicaram vídeo de um pastor condenando o relacionamento gay.

“Se os ‘LGDBTYH’, não sei, querem o respeito, eles precisam ser mais compreensivos com aqueles que hoje ainda não entendem direito e estão se abrindo para isso. É difícil educar filhos ao falar sobre isso, sabia? Vou dizer ao público ‘LGBTC’ que é muito difícil saber o que eu vou falar? Como vou falar?”, disparou a apresentadora durante o programa “Vem pra Cá”, sugerindo que homofóbicos precisam de compreensão porque “ainda estão aprendendo”.

Patricia não polemizou apenas nessa ocasião, pois, em 2016, também destilou ódio contra a comunidade LGBTQIA+. No Jogo dos Pontinhos, declarou: “Acho que a gente tem que ensinar para o jovem de hoje que homem é homem e mulher é mulher. E se por acaso ele tiver alguma coisa dentro dele que fale diferente, aí tudo bem”, começou.

“O que está acontecendo é que estão falando que tudo é bonito e o jovem acaba experimentando coisas que pode vir a se arrepender depois”, acrescentou ela, que se desculpou nas redes sociais após se tornar alvo de críticas. Em outros momentos, a apresentadora também foi acusada de intolerância religiosa e machismo.

Edição: Vitor Fernandes
Nicole Vasquesnicole.vasques@bhaz.com.br

Graduanda em Jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Participou de reportagem premiada pela CDL/BH em 2022.

Comentários