Homem passa a mão em mulher que cochilava no Move e acaba preso

Passageiros no corredor do Move
Caso aconteceu dentro do Move (FOTO ILUSTRATIVA: Amanda Dias/BHAZ)

Mais um caso de importunação sexual foi registrado dentro de um coletivo do Move, na manhã desta quinta-feira (15), no Centro de Belo Horizonte. Desta vez, uma jovem de 26 anos que estava a caminho do trabalho foi a vítima. O suspeito, também de 26, alegou que pegava a marmita que havia caído e acabou esbarrando na perna da moça. Ele foi preso.

O sargento Ronaldo Aquino conversou com o BHAZ e contou detalhes do caso. “Vítima e autor pegaram o coletivo em Ribeirão das Neves, na Grande BH, e estavam sentados juntos. A garota veio a cochilar, durante o trajeto, e acordou, segundo ela, com o rapaz passando a mão na perna esquerda dela, próximo ao órgão genital”, disse.

O caso aconteceu no ônibus da linha 520C (Terminal Justinópolis / Belo Horizonte). A vítima, conforme informou o militar, acordou assustada diante do que acontecia. “Ela gritou pedindo socorro ao motorista e demais passageiros. O condutor parou o coletivo entre a rua Paraná com Carijós e nós atendemos a ocorrência”.

“A jovem chorava muito e estava bastante assustada pela importunação sexual sofrida”, completou o sargento Aquino.

Versão do suspeito

O suspeito, assim como a vítima, estava indo ao trabalho e contou a versão sobre o ocorrido. “Ele disse que havia colocado a marmita por baixo da blusa e também acabou cochilando. Isso fez com que a vasilha caísse. Segundo ele, quando foi pegar, acabou esbarrando na jovem, mas disse que não teve o intuito de passar a mão nela”.

O técnico de refrigeração não tinha passagem pela polícia e acabou sendo preso. A ocorrência foi encerrada na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher.

Importunação sexual é crime

O crime de importunação sexual se tornou lei em 2018 e é caracterizado pela realização de ato libidinoso na presença de alguém e sem sua anuência. O caso mais comum é o assédio sofrido por mulheres em meios de transporte coletivo, como ônibus e metrô. Antes, isso era considerado apenas uma contravenção penal, com pena de multa. Agora, quem praticá-lo poderá pegar de um a 5 anos de prisão.

Onde conseguir ajuda?

Caso você seja vítima de qualquer tipo de violência de gênero ou conheça alguém que precise de ajuda, pode fazer denúncias pelos números 181, 197 ou 190. Além deles, veja alguns outros mecanismos de denúncia:

  • Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher
    Av. Barbacena, 288, Barro Preto | Telefones: 181 ou 197 ou 190
  • Casa de Referência Tina Martins
    Rua Paraíba, 641, Santa Efigênia | 3658-9221
  • Nudem (Núcleo de Defesa da Mulher)
    Rua Araguari, 210, 5º Andar, Barro Preto | 2010-3171
  • Casa Benvinda – Centro de Apoio à Mulher
    Rua Hermilo Alves, 34, Santa Tereza | 3277-4380
  • Aplicativo MG Mulher
    Disponível para download gratuito nos sistemas iOS e Android, o app indica à vítima endereços e telefones dos equipamentos mais próximos de sua localização, que podem auxiliá-la em caso de emergência. O app permite também a criação de uma rede colaborativa de contatos confiáveis que ela pode acionar de forma rápida caso sinta que está em perigo.

Seja qual for o dispositivo mais acessível, as autoridades reforçam o recado: peça ajuda.

Edição: Giovanna Fávero
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários