Pesquisar
Close this search box.

Rua Sapucaí: conheça os bares da queridinha de BH, que virou calçadão aos domingos

Por

rua sapucaí bh
A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) promove, a partir deste sábado (2), uma nova temporada de passeios turísticos pela cidade (Divulgação/CURA)

Há nove meses, a rua Sapucaí, um dos pontos mais badalados de Belo Horizonte, passou a ser aberta apenas para pedestres aos domingos. A medida faz parte de um plano de revitalização do Centro, mas a demanda já vinha se fazendo, organicamente, com o crescente movimento na região.

A queridinha da capital fica no bairro Floresta, região Leste de BH, e virou símbolo da diversidade na última década, com abertura de diversos bares e restaurantes, pra todos os estilos.

Colada à Estação Central de metrô, a rua também pode ser acessada por uma escadaria que desemboca bem próxima aos pontos mais movimentados.

Pra celebrar mais essa conquista em termos de ocupação do espaço público, o BHAZ preparou uma guia pra você aproveitar cada gota da nossa rua que virou calçadão.

São bares, restaurantes e até uma casa de shows. Os dias mais movimentados da Sapucaí são a sexta-feira à noite, o sábado ao longo de todo o dia, com noites agitadas, e os fins das tardes de domingo.

Salumeria Central

Não dá pra falar em Sapucaí sem falar na Salumeria Central. A casa foi inaugurada em 2012, fruto de uma franquia italiana, e logo virou o primeiro grande ponto de encontro na rua, antes, quase deserta à noite.

O local é especializado em carne de porco, com embutidos que vêm de uma salumeria do Sul do Brasil. O bar também trabalha com boi e peixes.

Rosi Dias é a atual proprietária e assumiu o local há três anos. “Estou dando continuidade a essa bonita história. A Salumeria foi a primeira a abrir na Sapucaí. A rua, antes, era um lugar ermo, praticamente sem movimento. Fico feliz demais de ver a rua agora tomada, com tanta gente e essa vista linda”.

Entrada da Salumeria Central (Reprodução/@salumeria.central/Instagram)

Um dos pratos queridinhos do bar é a feijoada tradicional, muito saborosa. São 13 tipos de carne, sendo a maioria defumada.

Tem acompanhamento de couve, farofa, laranja e arroz. Servida todas as sextas-feiras e sábados. Por R$ 52 o cliente pode comer à vontade, das 12h às 16h.

E para acompanhar a feijoada? O local sugere uma caipirinha de limão rosa, o famoso limão capeta, com cachaça da roça um pouco mais leve que as tradicionais. A delícia sai por R$ 21. Quem preferir, vale também pedir umas cervejinhas, dos mais diversos rótulos.

Vale também destacar o famoso Mexidão Central. A iguaria é feita com costelinha e lombo defumado, bacon, lombo fresco, ovo, couve e torresmo. O prato é servido todos os dias, de dia ou de noite, por R$ 45.

Feijoada e Mexidão Central (Leandro Miranda/Salumeria Central)

Outro prato que sai muito é o Tagliatelle Boscaiola. É uma massa longa, fresca, puxada na manteiga de ervas com vinho branco, cogumelos frescos e crispy de guanciale, que vem da buchecha do porco, fatiado, e lembra uma pacetta. Servido de quarta-feira a domingo, por R$ 52.

Agora, se você procura um petisco, a dica é a Panturrilha Salumeria. Tem um preparo especial. É a panturrilha mesmo do porco, marinada por horas no vinho branco, depois é assada e servida com batatinhas confeitadas no azeite com legumes. Serve de duas a três pessoas, por R$ 58.

Outro petisco forte é a Gran Porcaria. Uma seleção de embutidos da casa, com pães, queijo e geleia de frutas. Serve de três a quatro pessoas, por R$ 130.

Para os vegetarianos, tem a opção de entrada de burrata com tomatinhos e pesto, que é um queijo cremoso italiano. Acompanha pães artesanais, e custa R$ 71. Tem também um delicioso gnocchi aos quatro cogumelos. Massa fresca de batata baroa servida ao molho de quatro cogumelos. Custa R$ 48.

Gran Porcaria e Panturrilha Salumeria (Leandro Miranda/Salumeria Central)

Para beber, dois drinks são os mais famosos da casa. O primeiro é o Onça Pintada. Leva gin, aperol, licor de laranja, ginger ale e espuma de tangerina. Custa R$ 35.

O Siri-ryca é outro destaque. Leva vodca, seriguela, xarope de manjericão, licor de pêssego, limão siciliano e ginger ale. Custa R$ 30.

As quartas e quintas-feiras têm rodízio de vinhos, das 19h às 22h. São três tipos de vinho (branco, tinto e rosé). Cada pessoa paga R$ 85.

Caipirinha, Onça Pintada e Siri-Ryca (Samantha Fonseca/Salumeria Central)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 527
  • Funcionamento? Terça-feira (das 11h às 15h) | Quarta a sexta-feira (das 11h30 às 23h) | Sábado (das 12h às 23h) | Domingo (das 12h às 18h)
  • Mais informações? Instagram ou (31)3234-0657

Dorsé Bar e Restaurante

O Dorsé é um dos locais mais antigos na “redescoberta” da rua Sapucaí, inaugurado em novembro de 2015. O nome é uma referência ao Museu d’ORsay, localizado em Paris, na França. Elmo Barra, chef e sócio do empreendimento, explica que o restaurante é todo em estilo industrial, com os famosos vitrais e gradil quadriculado. A vista, principalmente no pôr do sol, é um espetáculo à parte.

“Chegamos com uma proposta de serviço à la carte para almoço, pois sentíamos que faltava isso na região. A Sapucaí em si foi um achado, chamou a atenção pela rua, visual. Quando chegamos existia só a Salumeria Central numa ponta e a Benfeitoria na outra. A rua ainda era um lugar meio esquecido, diferente do sucesso que faz hoje”, explica.

Dorsé tem ambiente coberto e arejado (Henrique Queiroga/Dorsé Bar e Restaurante)

Com públicos diferentes, a ideia de uma comida elaborada, e com preço justo, caiu no gosto dos clientes. Um dos petiscos elaborados pelo chef é a coxinha de tapioca.

“É uma releitura dos dadinhos de tapioca. Ela vem recheada com queijo coalho e carne de sol, numa pegada nordestina. A versão vegetariana é com ricota e espinafre”, conta. A porção vem com 8 unidades e custa R$ 36.

Outra opção deliciosa é a bruschetta mineira. Em vez de pão, o chef utiliza pão de queijo, amassando bastante a massa, até ficar fininha. É tudo feito na hora, colocando o recheio e servindo. Também também as opções de linguiça, pernil e pera com gorgonzola. A porção com 8 unidades é vendida a R$ 51.

Uma criação do chef que também vale a pena experimentar é o pastel de galopé. A massa é de rissole, bem crocante, recheado com galopé, que o pé de porco junto com o galo em pedaços. A porção vem com 8 unidades e acompanha vinagrete de jiló por R$ 31.

Pastel de galopé e coxinha de tapioca (Carolina Cauper/Dorsé Bar e Restaurante)

O Steak Osvaldo Aranha é servido somente no almoço, durante a semana. E é a dica para quem for almoçar no local. O prato é composto por bife de ancho ao alho, com farofa de ovos e batatas chips artesanais. Acompanha arroz e feijão. A delícia custa R$ 34,90.

Steak Osvaldo Aranha (Carolina Cauper/Dorsé Bar e Restaurante)

Para os vegetarianos, um delicioso ceviche. São cubos de banana da terra com limão, maracujá sw grape temperos do chef. Custa R$ 39. Tem também os gostosos pastéis de angu, com 10 unidades a R$ 31.

Para beber, a sugestão é o trio de limão. Uma bebida à base de gin que leva os limões capeta, thaiti e espuma do siciliano, com melado de cana e hortelã. O drink refrescante é vendido a R$ 28.

Trio de limão (Carolina Cauper/Dorsé Bar e Restaurante)

O bar ainda trabalha com rodízio de vinhos (tinto, branco e rosé) e espumantes, todas as terças e quartas-feiras, a partir das 18h. Pode beber à vontade por R$ 69,90.

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 271
  • Funcionamento? Terça a quinta-feira (das 11h30 às 23h) | Sexta-feira (das 11h30 às 0h30) | Sábado (das 12h às 0h30) | Domingo (das 12h às 18h)
  • Mais informações? AQUI

Mi Corazón

O Mi Corazón de define como “um pub com sotaque e ginga de botecagem”. O local conta com um dois espaços: um na Sapucaí e outro na Fernandes Tourinho, na Savassi. Um ponto tradicionalmente jovem na rua mais querida de BH, aberto à todas as tribos, com forte presença LGBTQIA+.

O pub mistura bar com balada, em ambiente decorado com bandeiras, quadros e objetos diversos. Por lá, mesas e espaços pra dançar, com luzes neon e som sempre animado dos DJs. No cardápio, tira-gostos tradicionais, com opções veganas, e bebidas variadas, como cervejas e Xeque-Mate.

Mi Corazón tem estilo despojado e público diverso (Divulgação/Mi Corazón)

O idealizador do pub é o empresário Adair Egídio da Silva Filho. O primeiro empreendimento surgiu na Sapucaí, em outubro de 2017. O dono do Mi Corazón antes trabalhava como DJ. “Eu nunca fui dono de bar, estou aprendendo até hoje. É cada dia uma coisa nova, uma experiência, é muito gratificante”.

O local virou um dos preferidos da comunidade LGBTQIA+ na cidade. Adair lembra que não foi nada planejado, apenas foi acontecendo. “É algo que tenho muito orgulho. Posso abrir um bar em marte que quero estar com esse público”, brinca o empresário. “A convivência diária me ensinou muito sobre afeto, entrega, acolhimento”, completa.

Pub é todo decorado, repleto de enfeites (Divulgação/Mi Corazón)

No cardápio, opções variadas, com carnes e também comida vegetariana. Um dos pratos que mais saem é o Penélope Hot Fish. A delícia é feita com isca de tilápia temperada com mix de pimentas, empanada em farinha panko crocante. Acompanha molho cremoso de limão. Custa R$ 45.

O bar também serve deliciosas batatas. A opção Vegan é uma batata rústica macia e crocante, com mix de temperos. Acompanha geleia de biquinho vegana. A Roots é feita com batata rústica macia e crocante, coberta por bacon e muçarela derretida. Acompanha molho verde. Qualquer uma das opções custa R$ 35.

Para beber, o favorito do público é o Xeque-Mate, que é uma bebida gaseificada de mate, rum, guaraná e limão. O copão vem com gelo e fruta, e custa R$ 15. Tem também as deliciosas capirinhas, servidas num copo generoso. A com vodka Ketel One custa R$ 30, a com Smirnoff é vendida por R$ 25, enquanto a feita com cachaça sai a R$ 20.

Penélope Hot Fish e caipirinha no copão (Divulgação/Mi Corazón)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí 511, Floresta | Rua Fernandes Tourinho 515, Savassi
  • Funcionamento? Sapucaí: todos os dias (das 16h às 1h) | Savassi: Terça-feira a domingo (das 17h às 2h)
  • Mais informações? (31) 988977150 | Instagram

Postin Floresta

Muito querido pelos universitários, o Postin Floresta foi inaugurado em 2015. O nome do local é por conta de ser anexo a um posto de gasolina, quase na Sapucaí com Contorno.

Em 2017, o empresário Amarildo Santos comprou o local, que ganhou uma repaginada e é bem movimentado durante a semana.

“Era uma loja de conveniência, até ser transformado em bar, em 2015. A intenção sempre foi alcançar o público das duas universidades que têm por perto”, explica Amarildo, que conta ainda que nunca teve o sonho de mexer com bar, mas viu a oportunidade e não deixou passar.

O local já foi palco de calouradas universitárias e se tornou o point dos jovens na região. “São pessoas que estão lá todos os dias da semana. Então estou sempre fazendo promoções que cabem no bolso deles. Cerca de 80% do público é formado pelos universitários. Muitos aparecem no intervalo da faculdade, para um lanche rápido, ou depois do fim das aulas”, continua. E toda sexta-feira tem pagode!

Local tem ambiente coberto e deck na calçada (Arquivo pessoal/Amarildo Santos)

O destaque do bar são os espetinhos, oito tipos diferentes, sendo os principais: almôndega, boi e medalhão de cebola.

Outra delícia são os pães de alho, e o cliente pode escolher entre o tradicional ou os recheados, como alho-poró, quatro queijos, bacon com cheddar ou frango com requeijão. Tantos os espetos quanto os pães são vendidos a R$ 10.

O bar ainda conta com outra unidade na rua Padre Belchior, 233, no Centro. Por lá, o nome do empreendimento é Postin Central.

Espetinhos diversos fazem sucesso no Postin (Arquivo pessoal/Amarildo Santos)

Serviço

  • Onde? Rua Silva Jardim, 388 ou Sapucaí, 85 (posto na esquina)
  • Funcionamento? Terça-feira a sábado (das 17h às 0h)
  • Mais informações? Instagram ou WhatsApp (31 99451-8528)

Xangô

O Xangô foi inaugurado em janeiro de 2020, pouco antes do início da pandemia de Covid-19. João Pinheiro, que é proprietário do local, conta que precisou readaptar tudo para o empreendimento recém-lançado sobreviver.

Conhecido como o rei de Oyó, Xangô é um poderoso orixá que tem o controle sobre os raios e trovões, e que também expele fogo pela boca. O bar exalta as religiões de matrizes africanas.

A escolha da Sapucaí para a abertura do bar é algo significativo para João. “Estamos num ícone da cidade, num lugar conhecido por essa pluralidade, de caráter inclusivo. Somos um bar super cultural. Tentamos sempre colocar atrações musicais diferentes, com samba, chorinho, DJs”, explica.

As noites são animadas no Xangô, com performances e DJs (Divulgação/Xangô)

A ideia do bar é valorizar a economia local. “Gostamos de conhecer nossos fornecedores de perto. temos vários da região, alguns pequenos, sempre sustentáveis”, continua. Além disso, o bar também é uma Galeria de Arte, fomentado por artistas locais.

O bar tem uma boa variedade de cervejas artesanais. Algumas são de produção própria, outras de parceiros da região, produtores locais.

O carro-chefe é a pilsen, que sai a partir de R$ 10 o copo de 500 ml. Os petiscos são as típicas comidas de boteco. Tem o torresmo de barriga (R$ 28), tilápia empanada super crocante (R$ 48) e um delicioso chips de babata doce (R$ 25).

Tilápia empanada e torresmo de barriga (Divulgação/Xangô)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 281
  • Funcionamento? Segunda, quarta e quinta-feira (das 18h às 0h) | Sexta-feira (das 17 às 1h) | Sábado (das 12h às 1h) | Domingo (das 12h às 23h)
  • Mais informações? Instagram

Casa Sapucaí

Tombada como Patrimônio Histórico, a Casa Sapucaí é um dos espaços mais charmosos da rua. O local funciona há cinco anos, mas somente há três funciona no modelo de casa de shows.

Diego Fernandes, produtor e responsável pela comunicação da casa, conta que o estabelecimento virou um ponto de vida noturna da cidade. “Recebemos festas da cidade inteira, além de produções próprias”.

Toda a estrutura da casa é conservada. “Como é tombada, não podemos fazer modificações nela. A gente vai ocupando a casa, criando espaços, e essa é a graça. Aos poucos vamos fazendo novas atualizações. Nunca pensamos num formato, é um projeto vivo. Vamos construindo a medida que vamos ganhando mais experiência, ouvindo o público”, continua.

Inicialmente, o local funcionava somente sexta-feira e sábado, mas agora está aberto de terça a domingo. E o local é para todas as tribos e idades, toca funk, forró, pop, black music, dentre outros estilos musicais.

Por lá, já passaram artistas importantes da cena mineira, como FBC, VHOOR, WS da Igrejinha, Deize Tigrona, N.I.N.A do Porte, Mu540 e DJ CIA. O espaço ainda conta com estúdio de gravação e escola de DJs.

Diego reforça que a Casa Sapucaí é um ambiente diverso, inclusivo. “É um espaço plural, todas as tribos são bem recebidas. Existe respeito entre os públicos, por mais diferentes que se pareçam”, relata. Ele também destaca que é uma das primeiras de BH a ter uma lista de entrada free para pessoas trans e travestis.

Para comer, no primeiro andar, o local conta com alimentação terceirizada, geralmente algum espetinho. O forte da casa são as bebidas, queridinhas em BH. Tem Xeque-Mate (R$ 17), Praya lata (R$ 10), Cerveja Cacildis (R$ 11), Gingibre (R$ 17) e Gin Tônica (R$ 20).

Casa Sapucaí é um dos pontos queridinhos da famosa rua de BH (Divulgação/Casa Sapucaí)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 303
  • Funcionamento? Terça a quinta-feira (das 20h às 2h) | Sexta-feira e sábado (das 20h às 3h) | Domingo (das 20h às 2h)
  • Mais informações e ingressos? Instagram e Sympla

Botequim Sapucaí

O Botequim Sapucaí surgiu em maio de 2017, com a crença do empresário Alfredo Lanna e seu sócio na retomada da região mais Central da cidade. Naquela época, a rua começava a engatinhar nas noites, até se tornar o fenômeno que é atualmente.

“Quando mudamos, a Sapucaí já estava começando com alguns movimentos. Já tinha alguns bares por lá, como a Benfeitoria, Salumeria e o Dorsé. Passamos um dia na porta, onde funcionava uma vidraçaria, e achamos interessante. Depois que mudamos veio o Cura (Circuito Urbano de Arte), Casacor, foi uma avalanche de coisas”, conta. Ele lembra que, em 2018, ambulantes começaram a tomar a rua e, com isso, as pessoas começaram a frequentar mais o espaço.

Bar tem ambiente arejado e agradável (Divulgação/Botequim Sapucaí)

Durante o dia, o local serve almoço e, à noite, funciona mesmo como bar. Todo sábado, das 13h às 17h, tem o tradicional chorinho. A velha guarda do choro belo-horizontino traz cavaquinho, saxofone, flauta, pandero, violão e outros instrumentos para abrilhantar a tarde.

No cardápio, o carro-chefe é o delicioso croquete de costelinha desfiada com requeijão, servido em porção (R$ 41,90 – 8 unidades) ou vendido individualmente (R$ 9).

No almoço, o destaque é a picanha australiana com arroz, feijão, vinagrete, farofa e batata frita (R$ 39). Para beber, são 12 torneiras de chopes variados (de R$ 10 a R$ 17, copos de 300 ml), Gingibre (R$ 12, de 300 ml) ou a Capirinha de uva verde com pimenta (R$ 18).

Croquete de costelinha desfiada com requeijão (Divulgação/Botequim Sapucaí)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 523
  • Funcionamento? Segunda-feira (das 11h às 15h) | Terça-feira a domingo (das 11h às 0h)
  • Mais informações e reservas? Instagram

Panorama Pizzaria

No fim de 2018, Alfredo Lanna, um dos sócios do Botequim Sapucaí, decidiu olhar um imóvel logo acima da Salumeria Central, e foi ali que surgiu a Panorama Pizzaria. Na época, eram poucas pizzarias no Floresta e, visando essa ausência, nasceu o projeto, que faz muito sucesso na Sapucaí.

“Sempre fomos muito ligados à gastronomia mineira, e queríamos fazer algo diferente. Começamos a pensar em ingredientes que remetem à culinária mineira. Então tem algumas pizzas com costelinha defumada, jiló, molho de abóbora. A nossa quatro queijos, por exemplo, são quatro queijos mineiros. Sempre fomos pegando por esse lado de Minas, de memória afetiva, queríamos sair do tradicional”.

Pizzaria fica no segundo andar e tem espaço amplo e arejado (Divulgação/Panorama Pizzaria)

A pizza campeã de vendas é a que leva o nome da rua Guaicurus. Nos ingredientes, muçarela, cogumelo salteado, lâmina de amêndoas, queijo azul de minas e mel de figo. A delícia sai por R$ 64, com seis fatias.

Outro destaque é a pizza Sabará, composta por lombo defumado, tomilho e conserva de jabuticaba. A iguaria custa R$ 62, com seis fatias.

De sobremesa, a dica é pedir a suculenta torta de Banoffe, que é uma sobremesa inglesa que leva banana, massa de biscoito, doce de leite, castanha do Pará e chantily. Cada fatia sai a R$ 19,90.

Pizza Guaicurus e torta de Banoffe (Divulgação/Panorama Pizzaria)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 533
  • Funcionamento? Terça-feira a domingo (das 18h às 0h)
  • Mais informações e reservas? Instagram

Trip Food

A ideia do Trip Food é reunir as comidas de rua diversas partes do globo num único local. Além da unidade na rua Sapucaí, a rede ainda conta com bares na Pampulha, Alberto Cintra e em São Paulo. Com dois andares e uma vista privilegiada, o bar é um dos queridinhos da rua do Floresta.

Lucas Meireles Duarte e Tamara Pinto Lacerda são os responsáveis pela concepção e criação do estabelecimento. Tudo começou após um mochilão que os dois fizeram para a Europa. Sem dinheiro para restaurantes, eles comiam na rua mesmo, e descobriram delícias pelo Velho Continente.

O espaço é amplo, com o chão coberto de grama sintética e cadeiras de praia, mesas e assentos convencionais. O lugar é totalmente instagramável, com vários cantinhos para tirar fotos. Dentre eles, uma piscina de bolinhas gigante, cadeira de salva-vidas e letreiros e led.

No segundo andar, o destaque é para a vista. O ambiente é mais alto que o tradicional, o que proporciona ao cliente um visual bem bonito da rua, podendo ver o maior mirante a céu aberto da América Latina. Uma dica é assistir ao pôr do sol na casa.

Trip Food da Sapucaí conta com dois andares (Divulgação/Trip Food)

O prato principal do bar é o famoso Poutine, delícia canadense. Originário de Quebéc, a iguaria é uma porção de batata fritas em corte caseiro cobertas por queijo e recheio quente. Você ainda pode escolher entre quatro deliciosos molhos. A menor porção sai a R$ 29,90, enquanto a maior custa R$ 36,90.

Outra opção gostosa é o Chilli and Fries. O prato consiste em batatas fritas cobertas por um delicioso chilli (receita mexicana que leva feijão, carne moída, pimenta chilli e especiarias), queijo, guacamole e Doritos. A delícia custa R$ 49,90, e serve duas pessoas.

Deu sede? O drink Sapucaí foi feito especialmente para a nova unidade do bar. Leva Aperol, soda de gengibre, suco de laranja e espuma de gengibre, por R$ 26,90. Outra bebida interessante da casa é o drink Surprise, preparado especialmente para o cliente, com o que o cliente desejar, feito na hora, por R$ 32,90.

O canadense Poutine e o mexicano Chilli and Fries são destaques da casa (Divulgação/Trip Food)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 469, Floresta
  • Funcionamento? Segunda a quinta-feira (das 17h às 23) | Sexta-feira (das 17h à 1h) | Sábado (das 13h à 1h) | Domingo (das 13h às 22h)
  • Mais informações e reservas? AQUI

Laicos

O Laicos iniciou suas atividades em Belo Horizonte há sete anos, na Savassi. Em novembro do ano passado, o bar abriu uma unidade na Sapucaí, em um ambiente decorado e com um estilo único. O local oferece uma carta com drinques, hambúrgueres, petiscos e comidas veganas.

O estabelecimento possui “Certificado de Excelência” e está no top 3 bares de Belo Horizonte pelo site TripAdvisor, o maior site de dicas de viagens do mundo.

Ah, e os aniversariantes que fizerem uma reserva acima de 10 convidados ganham uma tábua com shots saborizados.

Bar serve deliciosos hambúrgueres (Reprodução/@laicosbar/Instagram)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 157
  • Funcionamento? Terça a quinta-feira (das 11h às 14 e das 17h às 0h) | Sexta-feira (das 11h às 14 e das 17h às 1h) | Sábado (das 14h às 1h) | Domingo (das 14h às 0h)
  • Mais informações e reservas? WhatsApp

Sirène

O Sirène surgiu da ideia de montar um local descolado, com comida boa, chope e drinks, good vibes e diversão. Com ambientes amplos e arejados, o bar está presente na rua Sapucaí e também na avenida Fleming, na Pampulha.

No cardápio, o carro-chefe é a o famoso fish & chips, que são pedaços de peixe empanados, acompanhados de batata frita e um delicioso molho especial. Para beber, drinks autênticos da casa e chope bem gelado.

Bar é dos mais movimentados da Sapucaí (Reprodução/@sirene_sapucai/Instagram)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 535
  • Funcionamento? Segunda a quinta-feira (das 17h às 0h) | Sexta-feira (das 17h às 1h) | Sábado (das 14h às 1h) | Domingo (das 14h às 21h)
  • Mais informações? AQUI

Burger’s Club

O Burger’s Club é um especializado em hambúrgueres artesanais. O ambiente é agradável, com mesas na parte coberta e também na rua Sapucaí. As comidas são servidas quentinhas, com preços acessíveis e com atendimento de qualidade.

Uma das opções de hambúrgueres é o Nina Club. A delícia leva pão de hambúrguer da casa, blend 100% bovino, american cheese exclusivo, cebola caramelizada no shoyu e molho Club.

Já o Aretha Club é feito com pão de hambúrguer da casa, blend 100% bovino, american cheese exclusivo, fatias de bacon e molho club.

Bar possui opções deliciosas de hambúrgueres (Reprodução/@bclub.bh/Instagram)

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 285
  • Funcionamento? Quinta a segunda-feira (das 17h às 22h)
  • Mais informações? AQUI

Sapucaí 499

O bar Sapucaí 499 é um bom local para tomar aquela cerveja artesanal gelada, xeque-mate e drinks variados. Com ambiente agradável e espaço coberto, é opção para happy hour também.

Aliado a tudo isso, junte um belo pôr do sol, público diverso e lugares legais para tirar boas fotos. O bar fica junto a outros locais próximo ao Viaduto Santa Tereza.

Serviço

  • Onde? Rua Sapucaí, 499
  • Funcionamento? Segunda-feira (das 8h às 15h) | Terça a quinta-feira (das 8h às 0h) | Sexta-feira e sábado (das 8h às 2h) | Domingo (fechado)
  • Mais informações? Instagram

Vitor Fernandes

Sub-editor, no BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva do Portal UOL. Com reportagens vencedoras nos prêmios CDL (2018, 2019, 2020 e 2022), Sindibel (2019), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ