Filmaram em vez de ajudar: Mulher é estuprada por 45 minutos e passageiros de metrô nada fazem

estação metrô filadélfia
Segundo as autoridades, a vítima pegou o metrô errado na estação da Filadélfia (Reprodução/Google Street View)

Um caso de estupro poderia ter sido evitado em um metrô na Filadélfia, cidade da Pensilvânia (EUA), se os passageiros tivessem usado o telefone para chamar a polícia em vez de filmar o crime. Segundo as autoridades locais, as pessoas presentes não fizeram nada para impedir a violência, que durou cerca de 45 minutos. O abuso aconteceu pouco após às 21h, na última quarta-feira (13).

Segundo o USA Today, os policiais relataram que o abusador apalpou a mulher e a violou enquanto os outros passageiros observavam, no caminho de 12 estações feitas pelo metrô. A polícia acredita que ninguém acionou as autoridades, embora esteja sendo investigado se alguma testemunha de fato não registrou o crime.

De acordo com o New York Post, o vídeo de vigilância do vagão mostra a mulher tentando empurrar o agressor enquanto ele a apalpava e, por fim, a agride sexualmente. Durante o crime, os passageiros apontaram os telefones para o agressor, entretanto, ninguém interveio.

Funcionário do metrô chama polícia

Um funcionário da SEPTA (Autoridade de Transportes do Sudeste da Pensilvânia), operadora de transporte público da cidade, foi quem ligou para o 911 [Polícia dos EUA]. Os agentes de trânsito da empresa rapidamente entraram no metrô e intervieram na violência, de acordo com o chefe da polícia Thomas J. Nestel.

“Quando as portas se abriram, um oficial entrou e viu o que ele acreditava ser um ato criminoso”, disse Thomas. O oficial afirmou que tanto o agressor quanto a vítima entraram no metrô na mesma estação, no Centro de Transportes de Frankford, no Nordeste da Filadélfia.

“Havia outras pessoas no trem que testemunharam esse ato horrível, e ele poderia ter sido interrompido mais cedo ou evitado se um passageiro ligou para o 911”, disse a assessoria SEPTA. “O SEPTA exorta qualquer pessoa que observar um crime sendo cometido ou qualquer situação perigosa ocorrendo a relatá-lo. Qualquer pessoa que testemunhar uma emergência deve ligar imediatamente para o 911.”

O agressor é Fiston Ngoy, de 35 anos, cujo enfrenta acusações de estupro, desvio involuntário de relações sexuais, agressão sexual e outros crimes. Ele foi detido sob fiança de 18 mil dólares, cerca de R$ 100 mil, e tem uma audiência marcada para o dia 25 de outubro.

Edição: Vitor Fernandes
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários