Home Notícias BH ‘Protestos revelam a ignorância sobre a arte’, diz pai de Pedro Moraleida

‘Protestos revelam a ignorância sobre a arte’, diz pai de Pedro Moraleida

Maick Hannder/Bhaz

Nas últimas semanas, mostras de arte, peças teatrais e exposições artísticas viraram os alvos de protesto, tanto políticos quanto da população. A exposição “Faça Você Mesmo Sua Capela Sistina”, com obras do artista mineiro, Pedro Moraleida, atualmente à mostra no Palácio das Artes, é a polêmica da vez. O deputado estadual e candidato derrotado no último pleito municipal, João Leite (PSDB), quer cancelar a exposição das obras. O deputado também se manifestou sobre a  peça “Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”.

A confusão começou com o vereador Jair Di Gregório (PP), que visitou a exposição acusando as obras de conterem conteúdo que incentivam a pedofilia. O vereador realizou nessa quarta-feira (4) uma transmissão ao vivo via redes sociais na qual questiona a “pornografia chamada de arte”.

O vereador afirma que “aquilo que nós rejeitamos em Porto Alegre está dentro Palácio das Artes”. Além disso, o vereador, que é da bancada evangélica, questiona o secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira, por ter aceito a exposição na cidade. “Eu quero desafiar o Juca para saber se ele vai autorizar esse tipo de aberração em BH”, diz. No entanto, Jair Di Gregório comete um equívoco, pois o conteúdo exposto no Palácio das Artes não é de responsabilidade do governo municipal, e sim do estado de Minas Gerais. Confira:

 

Protesto falso

Na noite dessa sexta-feira, o Bhaz, foi até o Palácio das Artes visitar a exposição e conversamos com os pais do artista. A cientista social Nilcéa Moraleida, que também é pós graduada em Artes Plásticas e Contemporaneidade, e o comunicador Antonio Luiz Bernardes, abriram aspas para nossa equipe.

“Na verdade, essa polêmica é falsa. Se pegarmos a exposição do Pedro, que já foi mostrada na Europa e em outros países da América do Sul e do norte, isso nunca ocorreu. O que acontece de fato é que, eles apontam uma falsa agressão moral por parte dessa e de outras exposições. Não há estímulo à pedofilia ou coisas do tipo. Esses protestos revelam uma ignorância enorme sobre o que é o papel da arte no conhecimento humano e a importância disso para a sociedade”, afirma Luiz.

Para o pai, os protestos mostram a desumanidade da sociedade brasileira atualmente. “A arte é uma forma de conhecimento e expressão humana desde os homens da caverna. Não precisa de lições de arte para entender isso. O que o próprio Pedro diz nessa exposição, usando a simbologia própria da arte, é o tipo de sociedade em que vivemos. Uma sociedade profundamente desumana que mata, no Brasil, cerca de 60 mil pessoas por ano de forma violenta. Principalmente, negros, pobres, minorias e periféricos”, diz.

Ele ainda acrescenta que essa desumanidade, inclusive no que se refere a respeitar as diferenças de gênero, que é o que está por trás da condenação da mostra. “Por que isso está gerando problema agora? Porque esse pessoal está impondo ao Brasil um processo de ‘fascização’. Não é a primeira vez que o fascismo toma conta de um país, e ele parte do ataque à arte”.

Luiz exemplifica sua fala citando o ditador Hitller. “O próprio símbolo maior disso foi Hittler começar um ataque ao que ele chamava de ‘arte degenerada’. Os artistas caçados na época, hoje, são considerados os maiores do mundo. Eles reconheciam isso, tanto que, várias obras foram encontradas escondidas em acervos nazistas”, ressalta.

Maick Hander/Bhaz

Manipulação

Para a mãe do artista, o que está em curso é o uso de pautas morais para mobilizar a população contra os grandes temas nacionais que precisam ser debatidos. “Essa situação vai se agravar até o ano que vem, caso haja eleições. Eles querem atingir a população que, por motivos de ordem econômica social etc, não frequentam museus ou exposições. São pessoas manipuladas para criminalizar os artistas. Antes, usavam a questão do aborto e, agora, miram as pautas LGBTs e a arte. Mas, as exposições e peças não se prestam a isso”, afirma.

Essa situação mostra o preconceito de quem é manipulado. “Quem manipula sabe o que está fazendo. Não acredito que essas pessoas falam de moralidade de forma sincera e honesta. O vereador que filmou aqui (Jair Di Gregório) faz parte de um partido envolvido em denúncias de corrupção. E o deputado João Leite (PSDB) faz parte de um partido em que o presidente foi pego por crimes”, conta.

Mensagem da exposição

Questionado sobre qual a mensagem que a exposição traz, o pai do artista tirou do bolso uma carta escrita pelo próprio Pedro Moraleida e leu para nossa reportagem. Confira o trecho da mensagem lida:

“Olá, Meu nome é Pedro Moraleida,

Procuro neste trabalho, usando imagens e personagens bíblicos da mitologia grega, passar uma impressão agressiva e morta, utilizando símbolos como pessoas desmembradas, pessoas urinando ou defecando e animais grotescos, para falar das características de nossa época”.

 

Maick Hander/Bhaz

Publicidade e apoio

Para os pais do autor, os políticos que estão visitando, filmando e polemizando a mostra, estão propagando a exposição. “Os próprios que lutam contra a arte, estão  divulgando as peças para a população que não tem acesso. Mas, além disso, eles estão cometendo crime de ódio, incitando e assediando as pessoas, atentando contra o público etc”, conta Luiz.

Na noite desta sexta-feira (6), artistas e personagens da cultura de BH se reuniram no Palácio para protestar à favor da exposição. Um grupo de cerca de dez músicos cantaram canções cujo refrão entoava: “Não Passarão”.

A exposição já foi vista por cerca de seis mil pessoas e, as filas estão grande no local. A jovem Nayara Leite foi ontem pela primeira vez na exposição. Ela conta que a polêmica entorno da mostra a incentivou. “Para mim, essa exposição traz o questionamento, e isso é importante. Será que é isso tudo mesmo? Será que estamos diante de um caso de censura? De toda forma, a arte está transformando”, afirma.

Maick Hannder/Bhaz
Houve fila de pessoas interessadas em visitar a exposição (Maick Hannder/Bhaz)

Novas polêmicas

O vereador, Álvaro Damião (PSB) também entrou na polêmica. Segundo o político, a mostra é uma vergonha. Em um vídeo em sua página do Facebook, ele faz cobranças contra o secretário municipal de cultura, Juca Ferreira. Além disso, ele comete o mesmo erro do vereador Jair Di Gregório. Álvaro direciona as críticas ao âmbito municipal, enquanto que o Palácio das Artes é do estado de Minas Gerais. Veja:

Comentários

Rafael D'Oliveira

Jornalista e redator do portal Bhaz

Carregar mais em BH